sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

HUMOR: INVESTIGAÇÃO 2

2 comentários:

  1. Este é um problema profundo. A ciência deve ser financiada pela qualidade do trabalho, independentemente da área ou da suposta utilidade. Quando se faz depender o financiamento da «utilidade», abre-se a porta à fraude, à desonestidade, ao chico-espertismo.

    Também uma certa confusão entre qualidade e quantidade tornou-se um problema. Quem publica 100 artigos não é de certeza um génio da ciência - a qualidade exige tempo - mas um burocrata da ciência que costura artigos uns atrás dos outros, dizendo todos o mesmo ou dizendo coisa nenhuma. Preguiçoso não será, pelo menos.

    Claro que há outros critérios que se usam, como o impacto dos artigos dentro da sua área, mas tb são critérios dificeis de apurar.

    Penso que a tónica na quantidade tem poluido terrivelmente a Ciência, com montanhas de artigos inuteis que só fazem perder tempo e criam ruído.

    Penso que seria preferivel uma ciência mais lenta, questionante, amadurecida. Para não entrar tão depressa no caminho da asneira.

    A Ciência não é uma Religião. As religiões podem permanecer paradas mas a Ciência move-se; e se não vê bem para onde se move, perde-se no beco da asneira.

    Bem, em resumo, existe um probleminha com o financiamento e funcionamento da Ciência, mas qual a solução??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente consigo. Por essa mesma razão - entre outras - abandonei a Academia. Esta devia assentar em dois grandes pilares: Liberdade e Qualidade. Mas o actual paradigma parece ser, cada vez mais: Produtividade e Quantidade. (Já para não falar dos "jogos de poder e submissão" que tradicionalmente existem na Academia, entre quem está e controla o "sistema", e os "neófitos"...).

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.