sábado, 20 de março de 2010

Programa que contacta com mortos

Quando faltam poucos dias para estrear na TVI o programa, apresentado por Júlia Pinheiro, "E Depois da Vida", que pretende demonstrar a comunicação com mortos, recuperamos a peça que, sobre este assunto, o "Jornal de Notícias" publicou em 28 de Fevereiro último:

"
Eis o programa que contacta com mortos
"Depois da Vida" tem tudo para gerar controvérsia

DINA MARGATO COM ELSA PEREIRA

Moita Flores teve muitas reservas, mas acabou por aceitar o convite de Júlia Pinheiro. O presidente da Câmara de Santarém participou numa das sessões em que é suposto entrar em contacto com familiares mortos e o saldo da experiência foi avassalador.

"Fiquei muito surpreendido", conta Moita Flores, empregando um ritmo pausado, próprio de quem está a pensar no que diz. "A médium falou-me de coisas íntimas, que só eu, a minha irmã e a minha mãe, já falecida, conhecíamos". Exemplos concretos: "Falou-me de uma fotografia escondida da minha mãe, e de banalidades do nosso quotidiano". O que se passou em estúdio poderá ser visto no programa "Depois da Morte", em Março, na TVI.

Antes da experiência, já se considerava um céptico em relação aos contactos com o além? "Não sei bem", responde Moita Flores. "Fi-lo por confiar na Júlia Pinheiro, sabia que não me deixaria ficar em situação embaraçosa". Deixa o recado de que estamos diante de um "conteúdo muito forte. Vai mexer muito com as pessoas".

A médium inglesa Anne Germain - "reconhecida no meio", como diz a apresentadora Luísa Castel-Branco, que já participou numa sessão com ela extra programa e que conta que esta vem com frequência a Portugal - não se pronuncia com voz de outrem, nada disso, explica Moita Flores. Vai contanto histórias dos falecidos, "de uma forma elegante".

Do lado dos absolutamente cépticos em relação ao que chama de crendices está Carlos Fiolhais. O físico e professor da Universidade de Coimbra não só critica como desmonta qualquer pressuposto que possa estar adjacente a esta prática. "Trata-se de uma perfeita idiotice". Vai dizendo: "No século XIX é que se faziam essas sessões, hoje são coisas desacreditadas, sem fundamento; são experiências que se não existissem não havia mal nenhum". Se é entretenimento ao que se propõe a televisão, atira: "Ver o 'Ídolos' é uma melhor diversão, por exemplo".

E o pior, afirma convicto, é que este tipo de programa é "profundamente prejudicial para as pessoas mais frágeis". Depois, "é evidente que descredibiliza a estação e as pessoas que o fazem".

O sociólogo Jean Martin Rabot, professor na Universidade do Minho recusa-se a avaliar a veracidade de tais experiências, optando por as analisar enquanto sintomas da vida em sociedade. A seu ver, "assistimos a uma contestação ao predomínio do racional". E "o retorno ao religioso e ao espiritual faz-se das mais diversas formas hoje em dia, quer seja através de técnicas de relaxamento, como o Yoga, ou de novas religiões".

A apresentadora Teresa Guilherme, crente nesta comunicação com o além, evoca as séries para referir as múltiplas utilidades das médium. Carlos Fiolhais também se referiu aos produtos televisivos, mas para alertar, de viva voz, para a separação de domínios: "Na ficção, tudo é permitido", diz.

Refira-se que este programa chega a Portugal pela mão de Mónica Carrelhas, astróloga e produtora, como se apresenta no site de Planeta Ideal, empresa que criou para levar adiante este projecto.

Júlia Pinheiro diz que o objectivo de "Depois da Vida" é "pôr as pessoas a pensar". É ela a apresentadora. Luís Cunha Velho, director de Programas da TVI, garante: "Não há truques"."

15 comentários:

  1. O mito de Orfeu... sem poesia! JCN

    ResponderEliminar
  2. Para a minha sensibilidade... um lamentável programa televisivo de mau-senso e de mau-gosto. JCN

    ResponderEliminar
  3. Que vergonha de programa, que nojeira.

    É inacreditável os progressos que se fez ao nível da ciência no último século e que estão presentes no quotidiano de todas estas pessoas e, ao mesmo tempo, estas mesmas nem sequer dispendem algum do seu tempo a tentar perceber minimamente como é que aquelas coisas funcionam, como é que nasceram. É esmagador não só para quem faz investigação científica, que se sente cada vez mais como se fosse um marginal da esfera pública dos intelectuais, como para todos aqueles que dedicam algum do seu tempo a fazer divulgação científica.

    ResponderEliminar
  4. O obscurantismo está a tomar conta das nossas sociedades.
    É preciso denunciar os aldrabões e, acima de tudo, identificar os que têm interesse neste estado de coisas.

    ResponderEliminar
  5. Replicando ao Anónimo das 15:40, quando diz "É esmagador não só para quem faz investigação científica, que se sente cada vez mais como se fosse um marginal da esfera pública dos intelectuais, como para todos aqueles que dedicam algum do seu tempo a fazer divulgação científica", cito de cor uma frase do Vergílio Ferreira:

    "Em terra de cegos, quem tem um olho é deficiente"

    Cruz Gaspar

    ResponderEliminar
  6. Num país de analfabetos
    os aldrabões proliferam:
    importa pôr-lhes travões
    se por acaso exageram!

    JCN

    ResponderEliminar
  7. palermice querer falar com o "além" : que é que a borboleta tem a dizer à larva? nada que a larva perceba. No caso de haver larvas e borboletas humanas , claro .
    E sem dúvida que a ciência fez muito pelo bem estar material ou físico , mas é só. E não só de pão vive o homem , parece que convém repetir aos cientilófilos radicais.
    E viver num mundo encantado ? tem muito mais poesia...qual é o mal ?

    ResponderEliminar
  8. Que vergonha de programa...

    Cada vez mais penso que a maior prova de que existe vida inteligente no resto do universo é o facto de nunca nos terem tentado contactar...

    ResponderEliminar
  9. Acho profundamente lamentável que se dê crédito a este tipo de aldrabices. Manipular as sensibilidades das pessoas mais frágeis com este tipo de programa é algo que considero condenável.

    Faço minhas as palavras da personagem Patrick Jane, da brilhante série "O Mentalista": "There is no such thing as a psychic".

    ResponderEliminar
  10. ate que ponto e real???? anjos existem,mas eles nao se vulgarizao!!!

    ResponderEliminar
  11. nao convenceu!!!ate que ponto e verdade ???anjos existe mas nao vulgarizam-se!!porque ingle s?????

    ResponderEliminar
  12. Para ver:
    http://www.ted.com/talks/james_randi.html

    1 milhão de dollars a quem provar ter poderes paranormais. (até agora ainda ninguém recebeu este prémio. Por que será?)
    http://www.randi.org/site/index.php/1m-challenge.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque apenas os charlatões querem ganhar dinheiro á conta desse dom! Quem o tem de verdade não se expõe dessa forma. Quem conhece um pouco da doutrina espirita de Allan Kardek sabe que o dom não é para ser gabado nem para usar como ganha-pão, mas sim para usar como ferramenta de ajuda.. daí nunca nenhum ter ganho a quantia.. porque lá só devem aparecer mentirosos!

      Eliminar
  13. A vida para além da morte fisica, existe. Jesus Cristo é prova viva para quem acredita e tem fé em Deus. Acredito que o espirito dos nossos entes queridos,procuram-nos e olham por nós.
    Existe o sobrenatural sim . Penso que este programa faz- nos pensar e refletir do que realmente o ser humano é.
    A vida é um verdadeiro misterio .
    Quanto aos mais cepticos, talvez mudassem de opinião ao viverem uma situação extrasensorial.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

"A VOSSA VOZ CONTA" PORQUE ELA É A NOSSA VOZ, QUE QUEREMOS QUE SEJA VOSSA

Saiu no  Expresso   online de ontem, sábado, um texto muito esclarecedor do jornalista Rui Duarte Silva sobre as terceiras Jornadas da Juven...