sexta-feira, 13 de junho de 2008

Charlatanices e banhas da cobra: activação de ADN


O ADN é uma molécula polimérica que foi alvo de inúmeros posts no De Rerum Natura, quer do ponto de vista químico quer biológico. Os nossos leitores sabem que, de acordo com a sua funcionalidade, o ADN pode ser dividido em ADN codificante e não codificante. O ADN dito codificante é responsável pela síntese das proteínas que constituem todos os seres. O processo resume-se, basicamente, na transformação da linguagem codificada do ADN (sequência de nucleótidos) para a linguagem das proteínas (sequência de aminoácidos).

As regiões não codificantes do ADN, muitas vezes designadas «junk DNA», são segmentos que não codificam proteínas mas que podem ser muito importantes, por exemplo na regulação de genes, nomeadamente em eucariotas ou eucariontes. Por outro lado, existem nos vertebrados algumas zonas de ADN não codificante ultra-conservadas nos vertebrados (isto é, idênticas ou praticamente idênticas em muitas espécies) que parecem estar associadas à evolução e desenvolvimento dos vertebrados enquanto outras zonas podem ter tido um papel muito importante na evolução do Homem.

Assim, a designação «junk», que se pode traduzir como «lixo», é errónea. Como a maioria da população não segue a literatura científica, uma quantidade assustadora de charlatães dedica-se à tarefa de enriquecer à custa da ignorância alheia com dislates absolutamente arrepiantes que misturam patetadas New Age com uma linguagem pseudo-científica para enganar os mais incautos.

Um destes charlatães em concreto vende sessões de «activação» do junk DNA pela quantia «simbólica» de 100 dólares a sessão - com o aviso de que são necessárias pelo menos 4 sessões para atingir a perfeição perdida com a «queda», isto é, a «Original Divine Blueprint, o que o Homem já foi». O vendedor de banha da cobra refere ainda que Cristo, supostamente, teria em vez de uma dupla hélice uma dodeca hélice em que as 10 hélices extras seriam «etéreas», o que quer que ele pretenda com este disparate.

Mais concretamente podemos ler na sua publicidade enganosa que:

«A maioria das pessoas sabe que o ADN é o 'blueprint' da vida e está localizado em cada célula do corpo. Em adição à dupla hélice do ADN de cada cromossoma, existem 10 cadeias etéreas acessíves a cada ser humano, que estão no limbo desde o início da História.

Cada cadeia adicional permite ao indíviduo fazer maiores feitos humanos. Os cientistas reconhecem que actualmente apenas usamos 3% das nossas actuais duas cadeias de ADN. Assim, vivemos numa sociedade em que as pessoas estão doentes, infelizes, stressadas, fazem guerras, têm dificuldade em experienciar amor e estão totalmente desligadas do Universo. Muitas pessoas têm de meditar por muitos anos apenas para terem a chamada «experiência mística», tal é a desconexão que temos. Imagine o que é activar 100% do seu ADN das duas cadeias, MAIS 10 cadeias adicionais. Passará de usar 10% do seu cérebro [na realidade, 100% da massa encefálica trabalha vigorosamente] a um ser multidimensional com capacidades psiquicas, telepáticas e de manifestação (?) para lá de tudo o que sonhou. Mais, parará o seu processo de envelhecimento e começará de facto a rejuvenescer e a parecer e sentir-se MAIS NOVO».

Embora no meio de tanto disparate seja apenas um detalhe, é completamente falso o que realçei com negrito, isto é, que os cientistas reconheçam que só «usamos» 3% do ADN; os cientistas apenas reconhecem que há uma parte do nosso ADN de que não sabemos ainda a função embora os últimos tempos tenham sido férteis em descobertas excitantes sobre o papel do ADN não codificante.

A quantidade de tolices que o senhor debita por parágrafo suplanta até a necedade (ignorância ou estupidez crassa) da homeopateta que dissertou sobre «vibrações» youeeisticas. E não me refiro apenas à banha da cobra propriamente dita, a tal «bioregenesis» que supostamente «ordena» o junk ADN no «Angelic Human DNA Template», o Diamond Sun DNA Template, com as tais dodeca hélices, «que permitem 12 níveis de consciência e são construídas para transmutação de carbono em silício e eventualmente em luz líquida (?) pré-matéria».

A justificação de porque é tão urgente encher a conta bancária do aldrabão, que cura «telepaticamente», isto é, via internet, é impossível de adjectivar, como os nossos leitores podem apreciar neste pequeno excerto:

«Nós estamos no meio de um ciclo de ascensão, que é literalmente um «time continuum shift» [que não traduzo porque nem sequer imagino o que seja um «desvio do contínuo do tempo», será uma descontinuidade temporal?]. Até 2012, o planeta vai atravessar este «time continuum shift», o que só acontece uma vez em cada 25 556 anos (o chamado ciclo Euiago [para saber o que é mais este dislate New Age, os leitores podem divertir-se nesta página, nestoutra absolutamente delirante que afirma ser o nosso ADN um womhole ou consultar a página de um alucinado que elabora sobre a imbecilidade em que assenta esta tal ascensão).

O que está a acontecer é que as partículas que fazem o campo áurico (?) da Terra estão a acelerar num ritmo pulsante na preparação para este desvio da 3ª dimensão para a 4ª dimensão. Como as partículas que fazem o campo áurico da Terra estão a acelerar num ritmo pulsante e nós fazemos parte do campo áurico da Terra, as partículas que fazem parte do NOSSO campo áurico também têm de acelerar. Isto está a acontecer agora e até 2012. Isto significa que nós temos de ter pelo menos 4 cadeias de ADN activas se queremos dar o salto para a 4ª dimensão.

E isto é o porquê de a activação do ADN ser tão importante agora. Se tem bloqueios energéticos, - anexos áuricos, impressões kármicas,distorções de ADN ou selos energéticos não naturais - então não consegue acelerar as partículas e atingir as frequências necessárias para dar este «time continuum shift». E as frequências mais altas que chegam ao seu campo vão acelerar os processos de deterioração do corpo e muitos resultam em problemas físicos e desconforto. Muitas pessoas já notam estes sintomas e esta é a razão.»

Mas as coisas absurdas que este senhor debita a uma velocidade alucinante são perpetuadas em inúmeras outras páginas, uma pesquisa com «12 strand DNA» devolve cerca de 722 000 entradas e outra com «junk dna activation» quase um milhão de páginas, na sua maioria de outros charlatães que vendem sessões sortidas de «activação» de até 22 cadeias (!) de ADN, todas elas tão repletas de inanidades New Age como estes excertos.

Também no Brasil intrujões sortidos, por exemplo, Joysia, Engenheiro Chefe Geneticista a serviço do Conselho Nibiruano da Federação Galáctica, afirmam serem capazes de Recodificar, Reconectar e Activar o ADN dos que estejam dispostos a contribuir para a manutenção da conta bancária dos charlatães.

Achei especialmente divertido o site da Fraternidade Virtual Eu Sou Luz que pretende que a «activação do DNA subtil (Espiritual, Verdadeiro)» é possível com uma água «energizada», agora não com luz mas num processo de rezas em tudo análogo às tretas Hado do senhor Masaru Emoto, o doutor em medicina alternativa por uma obscura pseudo-universidade de banha da cobra em Calcutá que inspirou recentemente em Coimbra sessões de aspersão com água mágica.

Para os que pensam que estas patetadas são idiossincrasias de outras paragens, informo que nos dias 17 e 18 de Maio 2008 o Centro Terra Cristal Lisboa organizou um «workshop» para que convidou «seres da luz». Estes tais seres luminosos «proporcionam um trabalho profundo do coração actuando no DNA espiritual e efectuando a conexão e activação de várias fitas de DNA» aos incautos que desembolsaram a módica quantia de 170 euros (alojamento àparte) pela banha da cobra.

Tal como o Carlos, cito estes disparates «para que não se pense que estas coisas são "americanices" dos anos 80». Em relação à «activação» do ADN «etéreo» não há a publicidade massiva que mereceu a água «mágica» ou a venda de banha da cobra que vai acontecer já na próxima quarta-feira no Pavilhão Atlântico (e que me queriam impingir ontem no supermercado juntamente com o talão das compras). Todas estas coisas acontecem aqui e agora e não passam de fraudes congeminadas para enganar e explorar os mais incautos que urge desmascarar porque para além de fazerem mal à carteira fazem muito pior à sociedade como um todo.

De facto, o ressurgimento destes obscurantismos é uma manifestação de que algo está profundamente errado na nossa sociedade mas para além de sintoma é igualmente uma causa do que está errado. Vivemos tempos em que este tipo de patetices, aparentemente inócuas, na realidade são uma espiral descendente que se não for travada pode ter consequências desastrosas. O pior perigo destas charlatanices é o facto de que «envenenam» a mente, isto é, pretendem passar anti-ciência por ciência e apelam a que as pessoas deixem de pensar. São perigosas porque afirmam que o pensamento mágico é mais importante que o trabalho, a verdade, a razão e o respeito pelas evidências. E a razão e o respeito pelas evidências são a fonte do progresso da Humanidade - e a nossa salvaguarda contra todos os que lucram pela deturpação da verdade.

12 comentários:

  1. O vosso blogue é extraordinário. É óptimo que um blogue de divulgação científica consiga ter tanta popularidade.

    O post está brilhante, as well.

    http://oafilhado.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Estou absolutamente perplexo com as coisas que aí descreve! Se não fosse um assunto tão sério, essas patetices dariam um excelente argumento para um qualquer filme rasca de comédia de ficção científica. As coisas que o ser humano consegue imaginar é algo que não pára de me surpreender.

    Depois de ler isto, até a teoria da conspiração mais surreal alguma vez criada parece ser mais credível. Enfim...

    ResponderEliminar
  3. É sem dúvida hilariante como a comunidade de charlatães utiliza os termos da ciência moderna para engendrar as suas novas e sofisticadas formas de enganar. Quantas vezes já vi anúncios a métodos quânticos ou magnéticos para curar a depressão. Águas magnéticas não me convencem, muito menos métodos telepáticos de retornar ao ADN angélico. Acredito que algumas pessoas se deixem levar, mas este tipo de intrujices sempre existiu e sempre teve vítimas. Noutros tempos sob a forma de druidas, bruxos, videntes, vendedores de fadinhos,... Não há dúvida que sempre existirá impostores, porém sempre de forma inofensiva, dando alguma alegria aos desirmanados contentados com o consolo da dúvida e pondo um sorriso nas nossas caras com tamanhos disparates.

    Não me parece que ninguém acredite nestas histórias, até porque ninguém as entende. Se nem cientistas que conhecem o vocabulário conseguem compreender o que eles pretendem dizer, quanto mais o comum das pessoas que apenas conhece os termos de longe. Ninguém aceita um tratamento com genuína esperança, mas às vezes o desespero é tão grande e tão envolvente que talvez até valha a pena tentar.

    A infelicidade sempre foi um excelente negócio, por vezes de formas tão subtis que até o mais consciente é vítima.

    Parabéns pelo blog que só recentemente descobri e que me parece muito bom.

    ResponderEliminar
  4. Permitam-me recomendar este site:

    http://herebedragonsmovie.com/

    onde podem visionar um filme de cerca de 40min intitulado:

    "Here Be Dragons: An Introduction to Critical Thinking" - "Uma Introdução ao Pensamento Crítico"

    "Here Be Dragons is a free 40 minute video introduction to critical thinking. It is suitable for general audiences and is licensed for free distribution and public display."

    "Most people fully accept paranormal and pseudoscientific claims without critique as they are promoted by the mass media. Here Be Dragons offers a toolbox for recognizing and understanding the dangers of pseudoscience, and appreciation for the reality-based benefits offered by real science."


    Também está lá disponível para descarregar um ficheiro de imagem destinado à gravação em DVD.

    O link directo para o vídeo no Google é este:

    http://video.google.com/videoplay?docid=9178913674543933493&hl=en

    ResponderEliminar
  5. Fantástico melhor que isto do junk DNA ("activado") é a crença de usarmos 5% ou 10% do nosso cérebro...

    ResponderEliminar
  6. Assim, a designação «junk», que se pode traduzir como «lixo», é errónea.


    Certíssimo! Mas donde veio essa designação do "junk DNA", afinal? E qual o seu significado?!

    Claro que os leitores do "Rerum Natura" o sabem bem, mas convém recordar sempre como a arrogância científica e o convencimento de que por desvendarmos uma diminuta porção dos segredos da natureza sabemos tudo leva continuamente a ciência a afirmações erróneas, quando seria tão mais simples e honesto declarar simplesmente que "não sabemos".

    A este respeito, só aquilo que no presente milénio tem sido descoberto a respeito das porções não-codificadoras do DNA mostra bem como o atrevimento da ignorância coloca tantas vezes a ciência em xeque e a faz perder credibilidade, já que as contradições entre o que era ontem verdade e hoje se demonstra ser um mero disparate não são lá muito abonadoras.

    Aqui, importa salientar que não se trata apenas do natural aumento do conhecimento, que é uma inevitabilidade com o progresso técnico dos novos meios de observação cada vez mais sofisticados, mas sim de interpretações meramente metafísicas de certas descobertas, como é o caso do tal "junk DNA" ou ainda da explicação errónea de alguns mecanismos da evolução, cujo objectivo era o de desacreditar as teorias religiosas ou espirituais sobre a criação ou a inteligência imanente no Universo.

    Logo, perante isto essoutro DNA à dúzia não deve ser assim tão surpreendente, se afinal é a sacrossanta ciência a dar o exemplo de que cada um diz aquilo que lhe apetece, filosofando livremente em vez de fazer ciência com rigor... ;)


    PS: Já agora, é fantasticamente irónico como esse documentário do "Here Be Dragons" começa com aquilo que se pode bem designar de grosseiro obscurantismo acerca da saúde, desvalorizando de uma forma vergonhosa os 2 princípios basilares de Hipócrates, hoje em dia inteiramente ignorados pela medicina quimioterapêutica, para a qual não existe diferença essencial entre um carro e o corpo humano, é tudo peças avulsas!

    Primum, non nocere.

    Que o teu alimento seja o teu medicamento.


    Deveras, aquilo que eu disse atrás até é insultuoso para os mecânicos, já que os veículos motorizados são por eles bem melhor tratados do que o modo como os médicos procuram debelar as doenças no corpo humano. É que, no mínimo, ninguém alimenta o motor a outra coisa que não seja o combustível adequado, enquanto para "atafulhar" o corpo tudo serve, incluindo os resíduos tóxicos legalmente autorizados e a maior lixeira alimentar sobre a qual as autoridades muito falam mas nada fazem.

    Ah, e claro, os famosos OGM, que, num futuro talvez não muito distante, se arriscam a ter a mesma mortal publicidade das canibais (!) "vacas loucas" e afins. Por certo que também nessa altura, a sacrossanta e imaculada ciência nada terá a ver com essa caixa de Pandora, são só más aplicações industriais e ciência não é tecnologia, como bem sabemos...

    Meaning, talvez não seja assim grande ideia tentar apressar a evolução ou "devagar se vai ao longe"... palavra de monge! :)

    ResponderEliminar
  7. Muito bom o post no que refere à divulgação de que, afinal, o conceito de "junk DNA" foi um disparate de todo o tamanho (como o leprechaum salienta)_e de que, afinal, a evolução não é consequência de "acaso/selecção natural" mas algo mais complexo.

    Os vendedores de «banha da cobra» prestaram assim um serviço à ciência : abriram a oportunidade de a ciência poder desdizer que disse até agora sem ter de se contradizer.

    Mas a seguir virá outra coisa: os religiosos aparecerão a dizer: "aqui está a prova de que Deus existe! Ele criou uma máquina que dentro das nossas células orienta a evolução!" E outras coisas que eu não vou dizer para não lhes dar argumentos.

    A solução para a ciência é o que exponho nos posts sobre "Inteligência" e "Evolução da Vida". Quem ler, entenda.

    ResponderEliminar
  8. Alf:

    Não percebeu pevas de nada, para variar, só assim se percebe que venha com essa de que afinal evolução não é consequência de "acaso/selecção natural" mas algo mais complexo.

    Não sei onde foi buscar essa especialmente depois do trabalho do Zachary Blount que a Palmira comentou no post sobre Gould.

    Bem pelo contrário, como disse a Palmira nesse post, o papel do acaso, as contingências históricas da evolução estão cada vez mais claras.

    Leia a descrição do trabalho

    Lenski's E. Coli bacterial microevolution experiment

    ou aqui:

    A New Step In Evolution

    ResponderEliminar
  9. Sobre o junk DNA, pode ser que o surpreenda mas os cientistas têm sentido de humor, alguns nomes de coisas são piadas.

    Nunca houve conceito errado nenhum sobre o junk DNA, não sabia o que é que aquele DNA não codificante estava a fazer, só isso. Alguém lhe chamou junk DNA e o nome pegou, só isso.

    Só mesmo uma pessoa que acha que o junk DNA é a prova provadinha da existência de Deus é que pode dizer um disparate como Os vendedores de «banha da cobra» prestaram assim um serviço à ciência : abriram a oportunidade de a ciência poder desdizer que disse até agora sem ter de se contradizer.

    A não ser que ache que dizer não fazemos ideia de para que é isto serve mas vamos tentar saber e depois dizer que comecámos a perceber alguma coisinha é uma contradição horrorosa :)

    Haja paciência!

    ResponderEliminar
  10. rita

    Este blogger desespera-me! A quantidade de vezes que perco os comentários. Tinha respondido tão direitinho e afinal vejo hoje que o meu comentário não «entrou»

    Olhe, agora vou responder A`pressa, desculpe lá

    Primeiro, a selecção natural não está em causa. O problema reside no processo de obter as «mutações». Que é algo muito mais sofisticado que o «acaso»

    E não tem nada a com religião!!! Nem é o acaso nem é nada sobrenatural! Quem defende que é o acaso é que está a prestar um mau serviço À ciência e um bom serviço aos religiosos, pois que o «acaso» é insustentável como processo de gerar essas «mutações».

    Pense só o seguinte: se as células desenvolveram tantos sistemas tão complexos, porque razão não terão desenvolvido também um processo que lhes assegure uma evolução mais eficiente do que a possível por processos de acaso puro? Isso não lhes daria logo um a vantagem sobre as outras?

    Não é essa, se calhar, a grande vanatagem das nossas células? A de termos uma capacidade evolutiva superior a outros seres vivos?

    Quando se começou a falar do junk dna, eu tive a oportunidade de falar com biologistas e referir a minha ideia de que esse dna não podia ser apenas «restos históricos» como muitos defendiam na altura. Aliás, ainda recentemente tive uma discussão dessas.

    Portanto, é mesmo verdade que muitos cientistas achavam que esse dna era lixo. Nem todos, evidentemente, só aqueles que aparecem sempre cheios de certezas a falar em nome da ciência

    Quanto às experiências que deixou os links, é um trabalho interessante mas que não prova o que se pretende concluir, nem pouco mais ou menos. E falhou em experiências que deveria ter feito se a mente do autor não estivesse já com uma ideia pre-formada. mas isso é normal. Seria muito longo estar aqui a analisar isso, mas se quiser por email, estou à disposição.

    Por último: aceito que o meu comentário está um pouco "pespineta". Eu gosto de «picar» um pouco para que as coisas não fiquem muito mortas, nasça a discussão, isso é que dá interesse a um blogue cá para mim, nos faz abanar as cabeças para sabermos o que temos cá dentro, como disse o Agostinho da Silva. Mas talvez não me tenha saido lá muito bem. Da próxima terei mais cuidado.

    Ah, e é claro, se espreitar os meus posts sobre «Inteligência» e «a evolução da vida» talvez me entenda melhor. Mesmo que não concorde, quem sabe as ideias interessantes que lhe podem surgir por ler prespectivas diferentes e inovadoras?

    ResponderEliminar
  11. Desculpe Alf, eu nem tenho nada a ver com este assunto... Estava simplesmente passeando pela internet à procura de informação sobre biologia molecular quando dei de caras com este blogue.. Provavelmente já nem vai ler este comentario mesmo que seja aceite pelos autores do blogue, visto que ja passou algum tempo, no entanto não resisti em deixar o seu comentario sem resposta...

    Ao ler o seu comentário e a forma como fala da ciência e particularmente de evolução fiquei mais uma vez desiludido com a ideia que certas pessoas têm da evolução.
    Na minha opinião você, ou não entende o que é a evolução ou não conseguiu explicar o que queria dizer...
    Ora afinal "as células desenvolveram tantos sistemas tão complexos, porque razão não terão desenvolvido também um processo que lhes assegure uma evolução mais eficiente do que a possível por processos de acaso puro? Isso não lhes daria logo um a vantagem sobre as outras?",

    1º ponto que está incorrecto logo à partida, é as células desenvolverem seja o que for em termos evolutivos;
    2º ponto não estou a ver uma célula a pensar que algo lhe vai dar vantagem em termos evolutivos sobre as outras células, muito menos pensar no processo pelo qual evolui...

    Mas o pior de tudo está na frase "Não é essa, se calhar, a grande vanatagem das nossas células? A de termos uma capacidade evolutiva superior a outros seres vivos?" Isto não faz qualquer sentido, onde é que você ficou com a ideia que as nossas células (e quando fala nas "nossas células" penso que se está referir à espécie humana) têm qualquer tipo de vantagem ou superioridade evolutiva sobre qualquer outra espécie?!?! Sabe que na evolução o que hoje é uma vantagem fundamental na dominância ou sobrevivência de uma espécie, amanha pode acabar com ela. Podia dar-lhe aqui vários exemplos, de várias espécies que estão em risco de extinção ou que estão mesmo extintas, devido simplesmente a alterações no seu habitat natural.

    Começo a descortinar a razão pela qual a espécie humana está condenada à extinção, e que isso vai ocorrer sem termos consciência disso. A nossa ideia imbecil de que somos superiores a tudo é notável e vai acabar connosco...

    ResponderEliminar
  12. Cientistas Newtenianos de "meia tigela" .Gostava de saber onde tiraram a vossa literatura.Nao admira que tnehamos tanta gente burra.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.