segunda-feira, 28 de maio de 2018

À conversa com... Carlos Fiolhais e David Marçal sobre o livro "A ciência e os seus inimigos" (Fev/2018)

3 comentários:

  1. Vocês são dois exemplos de inimigos da ciência. Sem exagero!

    ResponderEliminar
  2. O senhor anónimo é um belo exemplo de um amigo da pseudo-ciência: nada de falar do assunto, apenas atacar as pessoas.

    ResponderEliminar
  3. Defender a ciência não lhe dá o direito de ser insultuoso seja para com quem for. Lá porque a ciência não tem o aspeto de vaca não quer dizer que não seja uma cabra na sua versão masculina. Muitas descobertas foram feitas à custa de caminhos tortuosos e atos ilícitos de experiências com seres humanos e animais, algumas bem cruéis. Sabemos que muitos laboratórios de medicamentos pagam uma miséria a gente paupérrima dos confins do mundo para testar prováveis efeitos e proceder à comercialização dos mesmos. E isto com a janela da televisão e do jornalismo abertas.
    Ciência de chapéu fundamentalista é coisa dispensável e chapéus há muitos... Um deles, de toda a minha infância, já não me serve porque o crânio cresceu; outro deixei-o voar depois de muitos anos a sombrear-me do sol. Os juízos de valor são sempre descompensados se não forem devidamente enquadrados.
    Como diz Carl Sagan, a humildade deve fazer parte integrante da ciência, afirmando ter havido muitos cientistas de renome que se enganaram. Sabemos que a validade de uma verdade pode não se verificar em situações particulares como por exemplo: a relatividade geral de Einstein não é válida em toda a parte e para sempre. Há falhas e limitações na ciência, sendo que, uma nova descoberta pode colocar em causa percursos científicos anteriores, apontar anomalias, assimetrias, paradoxos.
    Por outro lado, o metafísico pode não ter laboratório, mas isso não quer dizer que falhe sempre. Há dimensões ainda não exploradas pela ciência que se alimenta apenas do comprovável. Para combater o charlatanismo não basta ligar o alarme e afirmar que está errado. É preciso contrapor com verdades verificáveis que, na maior parte dos casos, a ciência ainda não tem, nem responde porque simplesmente não sabe.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.