domingo, 19 de janeiro de 2014

Nos 30 anos da morte de Ary dos Santos

Foi preciso que a data de uma morte, a data da morte de Ary dos Santos, se impusesse, para que, durante dois ou três dias, neste país desalmado, se voltasse a falar publicamente de poesia. E com a necessidade, a força que ela requer.

Ary dos Santos tinha o sentido da necessidade da poesia e também a força de espírito e a força física para ir dizê-la para a rua e para outros lugares onde andam as pessoas que verdadeiramente precisam dela.


Um extracto de um dos poemas mais sonoros de Ary dos Santos

Estrela da tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia
Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia
...
José Carlos Ary dos Santos

3 comentários:

  1. As palavras valem mais do que as pedras.

    ResponderEliminar
  2. Já sem tarde, sem noite, sem sonho, sozinha,
    a manhã renascia
    Ampulheta virada no sopro do tempo
    que desvanecia
    Areal de onírico oásis escorrendo
    na pena vazia
    Linha fina, dourada, esvaindo o momento
    de luz e magia
    E a manhã sem mistério, sombrio fantasma
    de mim se perdia
    Pelos dedos do vento no ventre das dunas
    o céu se escondia
    Que silêncio de ti, que sem ti no silêncio
    cumpro a nostalgia
    Por de mais eu errei… no errante deserto
    duma fantasia

    FC

    ;)

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.