terça-feira, 28 de janeiro de 2014

AFUNDAÇÃO EM VEZ DE FUNDAÇÃO

O jornalista de ciência José Vítor Malheiros põe o dedo na ferida num artigo de opinião no "Público": "A Avaliação Opaca": A Fundação para a Cência e Tecnologia: FCT ignorou as regras que ela própria estabeleceu e esqueceu-se que deve respeito ao Estado de direito. Os fins (brevidade dos procedimentos, ou seja lá o que for) não justificam os meios, isto é, ocultar dos júris as alterações que efectuou (bastar-lhe-ia ter mandado em e-mail para agora evitar a acusação de opacidade). A FCT, pensando que não tem de seguir regras, vive num mundo aparte. Nem sequer percebe que está, com a sua arbitrariedade, a minar a confiança que devemos ter nas instituições. E a prejudicar o Ministério que a tutela.

Por falar em Ministério, se este decidiu que devia haver um novo "paradigma" para o financiamento da investigação científica, não discutiu a nova ideia com a comunidade científica. Aliás, pouco lhe parece importar a comunidade científica, como bem mostram os casos do fim  das áreas de "História da ciência e tecnologia" e "Promoção e gestão da ciência e tecnologia". 

Ler o artigo de José Vítor Malheiros aqui.

1 comentário:

  1. Galois

    É isso.

    Mas como é possível não haver consequências imediatas disto? O Presidente da FCT foi ao parlamento justificar algo do foro da batota e ilegalidade. O passo seguinte devia ser demitir-se e haver algum tipo de consequências.

    Actualmente, a palavra «irrevogável» tem, como sabemos, um significado diferente. É claro que a generalidade da população constatou o número circense associado a esta mudança de significado. No entanto, penso haver razões para receios muito mais profundos relativos a estes «modos de actuação». Estamos a assistir alegremente à banalização do «vale tudo». Vale mesmo tudo... Quando o sistema judicial falir, as pessoas terão de emigrar, não para ganhar a vida no sentido monetário mas, talvez, para ganhar a vida no sentido literal do termo.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.