quarta-feira, 29 de maio de 2013

Eclipse de 1919 e a Relatividade Geral: o Universo que é um laboratório

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/37/1919_eclipse_positive.jpg
Há 94 anos, numa expedição conjunta à Ilha do Príncipe e a Sobral (na região brasileira do Ceará), foi dado um dos mais importantes passos da Ciência moderna: Albert Einstein tinha razão quanto à deflexão dos raios luminosos, nas vizinhanças de um corpo de grande massa. Nesses idos de 29 de Maio, as equipas lideradas pelo astrónomo inglês Arthur Eddington observaram um grupo de estrelas (nomeadamente, pertencentes ao enxame das Híades, na constelação do Touro) durante um eclipse total do Sol. Durante um eclipse total, a Lua ofusca o brilho solar permitindo a observação de estrelas. A faixa estreita em que o eclipse foi total atravessava a América do Sul e o continente africano, passando exactamente na Ilha do Príncipe. Em cima pode ver-se uma das fotografias tiradas durante a fase de eclipse total, no Príncipe (onde estava Eddington). Para além da coroa solar (zona branca) podem ver-se uns traços brancos que identificam as estrelas observadas.

Os resultados da expedição foram apresentados num artigo de nome "A Determination of the Deflection of Light by the Sun's Gravitational Field, from Observations Made at the Total Eclipse of May 29, 1919" escrito por F. W. Dyson, A. S. Eddington e C. Davidson, publicado em 1 de Janeiro de 1920 na revista inglesa Philosophical Transactions of the Royal Society. Os cálculos confirmaram a previsão de Einstein, baseada na Teoria da Relatividade Geral, de que a deflexão dos raios luminosos das estrelas era o dobro do que era previsto pela Teoria da Gravitação Universal de Isaac Newton.

O impacto destas notícias foi grande e passou para o grande público. Em baixo mostra-se recortes de dois jornais da época (publicados em final de 1919): em cima o Illustrated London News explica, com um esquema, a observação; em baixo o New York Times diz que ... não há razão para alarme.





 Fica a fotografia dos dois homens que deram corpo a esta importante descoberta.


Tal como em outras ocasiões as dimensões e grandezas do Universo tinham sido usadas para testar teorias, tal como se faz num qualquer laboratório. O Universo é um laboratório.

Este tema foi alvo de celebrações especiais durante o Ano Internacional da Astronomia, em 2009, por ocasião do nonagésimo aniversário das observações, e volta a ter atenção por parte do ano da Matemática do Planeta Terra 2013, reforçando que o progresso da Ciência se faz (também) pelo cruzamento de vários saberes: matemáticos, astrónomos, físicos, geólogos, biólogos, etc, etc ...

João Fernandes

PS. Para saber (muito) mais sobre eclipses, consultar a página da NASA dedicada ao tema.

3 comentários:

  1. Acrescentaria o facto de que o estudo neste caso, eleva interesse de outros países.

    ResponderEliminar
  2. Caro Prof. João Fernandes,
    Dou-lhe as minhas boas vindas a esta galáxia. É com imenso gosto que o vejo por cá. Acompanharei com muito interesse os seus textos e as suas ideias. Todos ganharemos com os primeiros e as segundas.
    Um abraço.
    Guilherme de Almeida

    ResponderEliminar
  3. Ola, vale a pena ver o filme da hbo Einstein e Eddington que narra a correspondência e a época em que esses fatos ocorreram, um abraço

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.