segunda-feira, 6 de outubro de 2008

A AMEAÇA INTELECTUAL NOS ESTADOS UNIDOS

O artigo de Jeffrey Sachs, professor de Economia e director do Instituto da Terra da Universidade de Columbia, publicado no "El País" de 4 de Outubro passado, começa assim (na foto Sarah Palin):

"En los últimos años, Estados Unidos ha sido más una fuente de inestabilidad mundial que de resolución de problemas en el mundo. Abundan los ejemplos: la guerra de Irak, iniciada por Estados Unidos con falsos argumentos; la obstrucción de los esfuerzos para reducir el cambio climático; la escasa ayuda al desarrollo; la violación de tratados internacionales como los Convenios de Ginebra... Aunque son muchos los factores que contribuyeron a las acciones desestabilizadoras de EE UU, uno de ellos, muy poderoso, es la actitud antiintelectual, simbolizada recientemente en la gran popularidad que obtuvo en un primer momento la candidata republicana a la vicepresidencia, Sarah Palin.

Al decir antiintelectual, me refiero en especial a una perspectiva agresivamente anticientífica, apoyada en el desprecio por quienes defienden la ciencia y la necesidad de pruebas. Pero los retos que afronta una gran potencia como Estados Unidos exigen análisis rigurosos de la información con arreglo a los mejores principios científicos."

O resto pode ser lido aqui.

4 comentários:

  1. É preciso perceber o que move as pessoas. Certas pessoas duvidam da Instituição Ciência porque desconfiam dos seus motivos e objectivos. Não gostam da sua arrogância - a Igreja tem os seus mistérios, as coisas que não sabe explicar, nisso reside grande parte da sua força; mas a ciência sabe tudo e uma pessoa é levada a desconfiar de tanta certeza, não é?

    Depois a ciência não é autónomoa, está ao serviço da política - não foi a «ciência» que garantiu que o Iraque tinha armas de destruição maciça?.

    Por outro lado, para muita gente, a ciência tornou este mundo mais confuso e assustador. Na crónica seguinte não se defende a rejeição do computador? As teorias cosmológicas actuais dão algum esclarecimento às pessoas sobre o Universo, ou seja, diz algo que as pessoas possam entender? E a Ciência não se põe a falar de «partículas de deus» e anda a fazer experiências que as pessoas percebem ser muito caras mas não percebem para que servem? E até têm medo, medo que não foi inventado por elas mas pelas coisas que os próprios cientistas disseram?

    A ciência vai ter de se confrontar com grandes falhanços nos próximos anos - o aquecimento global, o bosão de Higgs,o Big Bang - para referir as grandes apostas mediáticas da ciência. Talvez conviesse estudar uma estratégia... não adianta dizer que as pessoas são estúpidas, porque o voto é delas, é preciso é encontrar os argumentos certos...

    ResponderEliminar
  2. Todo o conhecimento/ciência é positivo, é o que se faz com esse conhecimento que poderá não ser.

    A ciência não falha, aprende.

    ResponderEliminar
  3. As Director of the Earth Institute, Jeffrey Sachs leads large-scale efforts to promote the mitigation of human-induced climate change.

    Para quem se preocupa com atitudes anti-científicas, é pena que alinhe com a posição dos warmers, uma onda que de científico tem muito pouco.

    ResponderEliminar
  4. o dobre de finados dos EUA como potencia mundial está ai, imposição da russia perante a impotencia dos EUA, falhanço total dos EUA no Iraque e Afeganistão, crise económica e depressão americana e possivelmente mundial, e por fim o escalar das posições anti-cientificas, que ainda não estão no apogeu, aquilo por lá é um barril de polvora, vai rebentar não tarda.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.