sexta-feira, 27 de novembro de 2020

UMA BIBLIOTECA DO FUTURO


Bibliografia também publicada na revista BICA:

Woody Allen diz que gosta muita do futuro, porque “é lá que vai passar o resto dos seus dias.” Eu também gosto. E, por isso, há muito que tenho umas estantes da minha biblioteca  dedicadas a esse tema. Arrumei-a agora, tendo verificado que, passado o tempo, tenho vários livros do século passado que previam como ia ser o mundo no ano 2020. Separei-os para ver como falharam, pois, o futuro é sempre uma surpresa. Apesar ou talvez por causa dos erros de previsão, prever é sempre um desafio interessante. Alinhei aqui uma lista de doze livros, publicados em português nos últimos dez anos, que dizem como vão ser as próximas décadas. Denominadores comuns são as mudanças tecnológicas e as alterações climáticas. Não podiam prever o vírus que nos apanhou neste ano. A ordem é a alfabética do apelido do autor:

1-Daniel Franklin (coord.). Megatech. As grandes inovações do futuro, Lisboa: Clube de Autor, 2017 este é um livro ligado à revista The Economist, que trata da alimentação, saúde, energia e transporte no futuro, enfatizando as mudanças causadas por mudanças tecnológicas. O livro baseia-se na opinião de empresários e filantropos como Melinda Gates, cientistas como o Nobel da Física Frank Wilczek, para além de um grupo de jornalistas da revista.

2- Jean-Gabriel Ganascia, O Mito da Singularidade. Devemos temer a inteligência artificial? Lisboa: Temas e Debates - Círculo de Leitores, 2018. Um autor francês, professor na Universidade Pierre e Marie Curie, desmonta o mito da “singularidade”, uma previsão que alguns fazem do momento em que a inteligência artificial superará a inteligência humana, iniciando-se em futuro transhumano.

3- Yuval Noah Harari, Homo Deus. História breve do amanhã, Amadora, Elsinore, 2019. O autor é um historiador israelita que é actualmente o maior autor de best-sellers de não-ficção: este seguiu-se a Sapiens. Hstória breve da Humanidade. É uma visão macro-histórica, fundamentada no passado na relação entre história e biologia, e no futuro sobre a relação entre seres humanos e máquinas. A tradução é do escritor Bruno Vieira Amaral.

4-Daniel Innerarity, O Futuro e os seus Inimigos. Uma defesa da esperança política, Lisboa: Teorema, 2011. O filósofo político espanhol, professor na Universidade de Saragoça  e professor convidado na Sorbonne em Paris (foi lá que deu as lições que originaram o livro), é considerado um dos maiores pensadores dos nossos tempos. Pretende uma reorientação da política para o futuro. O livro é elogiado por Madeleine Albright, ex-secretaria de Estado dos EUA, e por Walter Isaacson, autor de biografas famosas.

5- Michio Kaku, A Física do Futuro, Como a ciência moldará o mundo nos próximos cem anos, Lisboa: Bizâncio, Lisboa, 2011. O autor, professor de Física Teórica  no City College de Nova Iorque, é autor de vários best-sellers de prospectiva, que incluem a Física do Impossível, Visões e  O Futuro da Humanidade. Com presença assídua na rádio e TV norte-americanas, faz previsões a muito longo prazo. Entrevistei o autor para o Público quando ele veio a Lisboa.

6- Elizabeth Kolbert, A Sexta Extinção, Lisboa: Elsinore, 2018 (1.ª ed., Lisboa: Vogais, 2014). Da autoria de uma jornalista do New York Times, este livro discute extinções que ocorreram no passado e fala da eventual extinção da espécie humana devido às alterações climáticas globais. O livro foi premiado com o prémio Pulitzer de não-ficção em 2015. Tem um elogio de Al Gore na badana.

7– Paul Mason, Um Futuro Livre e Radioso. Uma defesa apaixonada da humanidade, Lisboa:  Objectiva, 2019. O autor é um jornalista e ensaísta premiado, que já tinha tido êxito com o livro Pós-capitalismo-um guia para o nosso futuro. Nesta obra critica o capitalismo neo-liberal, aponta o dedo á desintegração intelectual, económica e política e, numa visão humanista, entrevê o futuro.

8- Joseph S. Nye, Jr. O Futuro do Poder, Lisboa: Temas e Debates - Círculo de Leitores, 2018. Um rofessor universitário e político norte-americano, membro de varias academias e laureado com vários prémios, explica como o poder tradicional vai ser mudado pela evolução tecnológica. O panorama geoestratégico está a mudar de um modo acelerado.

9- Tim O’Reilly, Como Será o Futuro e porque defende de nós. Lisboa: D. Quixote, 2018. O autor é fundador e CEO das O’Reilly Media, uma empresa de Silicon Valley que fornece ensino à distância, conferências e publicações, além de ser gestor de um fundo de capital de risco. Fala do mundo governado por algoritmos  e das novas empresas como a Uber. Na capa diz que é um best-seller WTF, o que significa Where’s the Flow.

10- Robert Shapiro, O Futuro, uma Visão Global do Amanhã. Como as superpotências, populações me a globalização vão mudar a forma como vivemos e trabalhamos Lisboa: Actual, 2010. Fundador e presidente de uma empresa de consultadoria, o autor, professor da Universidade de Harvard, foi político na administração Clinton. Discute a demografia, a globalização, a tecnologia e as crises.

11- Eric Schmidt e Jared Cohen, A Nova Era Digital. Reformulando o futuro das pessoas, das nações e da economia. Lisboa: D. Quixote, 2013.  Este é um best-seller do New York Times escrito pelo fundador e chairman da Google, depois de ter sido CEO muitos anos, e pelo director da Google Ideas.  Esses visionários expõem o que pensam sobre o nosso futuro digital. Não se trata apenas de tecnologia, mas também de vida e política. Alguns dos nomes que abonam o livro na badana são Bill Clinton, Henri Kissinger e Tony Blair.

12– David Wallace- Wells, A Terra Inabitável, Lisboa: Lua de Papel, 2019.  Jornalista da revista New York faz uma previsão que solicita o nosso alerta urgente , num ensaio que começou por ser publicada  naquela revista, sobre o futuro do nosso planeta, ameaçado como está pela acção humana, num livro que está a ser bastante lido e discutido em todo o mundo. Escrevi o prefácio.

Sem comentários:

Publicar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.