quarta-feira, 3 de julho de 2019

PSEUDOCIÊNCIA NO ANTIGAMENTE

Contribuição recebida de um nosso leitor. Agradecemos como sempre estas participações:

Não há muitos anos e por responsabilidade do vosso blog tive o primeiro contacto com a pseudociência, já que charlatanismo era um conceito familiar. Ficou claro no meu espírito que a primeira está para a segunda assim como cleptomaníaco está para ladrão, questão de status. Sendo uma "guerra" que nunca será vencida pela ciência baseada na evidência e ao tomar conhecimento de um artigo escrito na primeira década do século passado por um familiar da minha bisavó paterna, por sinal médico, quero deixar à consideração se o devem tornar público. 

Copio com a ortografia em que o Sr Dr Brito Camacho o escreveu, por dessa forma mais nos aproximar daquela época.

Eduardo Grácias


"Se fores um dia ao mar,
Que a fortuna te não deixe;
Bota a rede e vae-te embora,
Quanto mais burro mais peixe.

Fôra creado de medico, e como a Natureza o dotára com bastante intelligencia e um notavel espirito de observação, aprendeu mil coisas com o doutor, a ponto de se julgar apto a fazer o que elle fazia. Depois chocava-o aquella subalternidade de moço de consultorio, as pessoas que entravam nem reparando n'elle, e algumas que n'elle reparavam tratando-o sem cortesia. Farto d'aquelle viver, reconhecendo-se talhado para mais altos destinos, um dia pediu contas ao patrão, e abalou sem dizer para onde.

Mezes passados, enchia a cidade a fama de um doutor novo, que fazia verdadeiros milagres, havendo quem affiançasse que dera vista... a uns
poucos de aleijados, e cegára uma meia duzia de coxos. Por acaso o doutor topou o milagrante collega na rua, e reconheceu n'elle o seu velho creado, muito correcto, muito bem posto, tal qual um intrujão com diploma. Ao outro dia, era um domingo, foi procural-o ao consultorio, curioso de saber como aquillo era feito. No largo, junto ao adro da Egreja, havia uma extraordinaria multidão.

- Quantas pessoas calcula o dr. que estejam além?
- Uns milhares.
- E quantas d'essas lhe parece que serão intelligentes?
- Algumas duzias.
- Pois essas formam a sua clientella; o resto pertence-me.

Vinha isto a proposito... a proposito... Ah! sim; a proposito da tiragem do jornal, que o administrador acha pequena."

Brito Camacho


Sem comentários:

"Nós, professores, já não lemos. Nem sequer estudamos."

O artigo que aqui traduzimos, assinado por Diego Garrocho, não traz nada de novo, mas o que traz é importante, fundamental, precisa de ser r...