quinta-feira, 18 de julho de 2019

Introdução à edição portuguesa de "O Cálculo da Felicidade"



Prefácio especialmente escrito pelo autor para a edição portuguesa de "O Cálculo da Felicidade" que acaba de sair na colecção Ciências Aberta da Gradiva:

A Universidade de Coimbra, uma das mais antigas do mundo, teve um papel pioneiro nas aplicações práticas da matemática. O famoso matemático português Pedro Nunes foi responsável pelo ensino da matemática  na Universidade de Coimbra,  em meados do século XVI;  os seus ensinamentos, as obras que escreveu, os seus inventos revolucionaram a ciência da navegação.

A promulgação dos Estatutos Pombalinos de 1772 veio reforçar ainda mais a importância do estudo da matemática e das suas aplicações. O símbolo da Academia de Ciências de Lisboa, fundada alguns anos depois, em 1779, tem inscrita essa visão da matemática – contém o texto em latim “Nisi utile quod facimus, stulta est gloria”, que significa “Se não for útil o que fizermos, a nossa glória será vã.”

Um requisito dos Estatutos de 1772 foi a exigência de que os livros de matemática fossem disponibilizados (em português) aos estudantes portugueses. Esta edição do livro O Cálculo da Felicidade honra, à sua maneira, o espírito daquela exigência – todos os estudantes portugueses devem ter acesso a uma educação matemática de qualidade superior e manter a tradição portuguesa de valorizar as aplicações da matemática.

Como os autores portugueses que reconheceram a utilidade deste tema, também eu acredito firmemente na aplicabilidade intrínseca da matemática, sou por formação um profissional da matemática aplicada. Essa foi a minha motivação para escrever O Cálculo da Felicidade. Já foram escritos muitos livros sobre as aplicações da matemática nas ciências, nas engenharias e noutras áreas do conhecimento. Mas foram relativamente poucas as obras que se concentraram nos usos práticos e pessoais da matemática que aprendemos na nossa juventude. Os tópicos que aprendemos – que incluem conceitos como funções, logaritmos ou probabilidades – são frequentemente aplicados em contextos que o cidadão comum não experimenta (por exemplo, medir o período de decaimento de um isótopo radioactivo). Assim, não nos pode surpreender que, quando ensinada desse modo, a matemática adquira, ao longo do tempo, uma conotação de estudo abstracto de várias fórmulas que nunca serão usadas fora da sala de aula.

O Cálculo da Felicidade é uma refutação directa dessa abordagem do ensino da matemática. É um livro projectado para mostrar as aplicações da matemática dos ensinos básico e secundário que são particularmente relevantes no nosso dia a dia. Ensina-nos como a matemática nos pode ajudar a ser mais saudáveis. Ou como poderemos lidar melhor com as nossas finanças pessoais. E até ilustrará como é possível quantificar vários aspectos das nossas relações, tanto românticas como não românticas.

Mais importante ainda, O Cálculo da Felicidade possui um objectivo central: incentivar os leitores a adoptarem uma abordagem matemática da vida. A matemática é um dos assuntos mais antigos que é universalmente reconhecido ao longo da história da humanidade como um pilar essencial da educação de cada pessoa. Uma das razões é que a matemática não é uma colecção de fórmulas, mas sim um desenvolvimento sistemático e cumulativo de ideias e pensamentos lógicos, limitados apenas pela imaginação. Uma grande parte da matemática consiste, portanto, em trabalhar matemática, e não apenas em ler matemática. Por isso, sugiro vivamente que trabalhem ao longo do livro e experimentem o que irão aprender para apreciarem realmente o que quero dizer com “adoptar uma abordagem matemática da vida”.

A concluir deixo aqui algumas palavras de incentivo dizendo que serão capazes de aprender, apreciar e dominar a matemática. Ela já está à vossa volta, mesmo no interior de cada um de vós, antes de eu me esforçar por vos convencer disso neste livro; tal como no caso da aprendizagem de uma língua nova, apenas vão precisar de imergir nela, praticá-la e trabalhar para melhorar a vossa fluência.

Espero que aprecie O Cálculo da Felicidade.

Oscar Fernandez

Professor associado de Matemática
Departamento de Matemática
Wellesley College, Wellesley, MA, EUA

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.