sábado, 13 de junho de 2015

A ÁGUA NA TERRA, NO SISTEMA SOLAR E NO UNIVERSO


Novo post de Galopim de Carvalho:

Pela distância a que se encontra o Sol, a superfície do nosso planeta caracteriza-se por um intervalo de temperaturas que permite a presença de água nos seus três estados físicos - sólido, líquido e gasoso -, sendo o estado líquido o de mais vasta representação e que maior influência teve e tem nos processos geológicos e biológicos. A vida nasceu na água, o líquido essencial à composição e fisiologia das plantas e animais, em cujos corpos está presente em grande quantidade. A água faz parte da composição química de muitos minerais, é essencial à alteração (meteorização) das rochas e à formação dos solos, à erosão e à deposição de sedimentos e subsequente transformação em rochas sedimentares. Mas o papel da água não se confina aos fenómenos superficiais. Está ainda presente no metamorfismo e no magmatismo, dois processos geodinâmicos internos geradores de rochas.

 Há água sob a forma de gelo nas regiões polares e em alta montanha e, ainda, na maioria dos cometas e em alguns corpos planetários do Sistema Solar, onde as temperaturas, à superfície, são inferiores a -150 ºC, como acontece em Ganimede, satélite de Júpiter, cuja crosta é formada por gelo. Há, ainda, água em moléculas disseminadas no espaço interestelar. Dada a universalidade da Physis, somos levados a admitir que o “precioso líquido” é uma constante na imensidão do Cosmos. Sobre a Terra, as primeiras águas no estado líquido terão surgido no decurso da diferenciação do planeta, em fase inicial da sua história, há mais de 4000 milhões de anos, por condensação de uma atmosfera primitiva, rica em vapor de água saído do seu interior, a que se terá juntado, segundo se pensa, muita água transportada por asteróides, cometas, em constantes e abundantes colisões com o nosso planeta, numa actividade considerada muito intensa nesses recuados tempos. Teria bastado o abaixamento da temperatura à superfície, para valores inferiores a 374 ºC, e uma diminuição da pressão atmosférica, para níveis na ordem dos 217 bars, para que o vapor de água condensasse e começasse a preencher as áreas mais deprimidas do planeta de então, originando as primeiras bacias isoladas que puderam crescer em profundid
ade e extensão, acabando por coalescer em um ou mais oceanos primitivos.

 Houve quem chamasse à Terra o “Planeta de Água”. Com cerca de 71% da superfície coberta por oceanos e mares, o globo terrestre, se reduzido a uma esfera, estaria envolvido por uma camada contínua de água, com cerca de 2,5 km de espessura. A hidrosfera, conceito abstracto usado para referir uma entidade não contínua, é essencialmente constituída pelas águas marinhas (que perfazem cerca de 98%), dos rios e dos lagos, pelas neves e gelos polares e de alta montanha e, ainda, pelas águas subterrâneas (aquíferos).

Nos continentes as águas pluviais e a precipitação de neve alimentam, respectivamente, rios e glaciares, agentes cuja acção erosiva modifica, lenta mas constantemente, o relevo da Terra, escavando vales, arrasando montanhas, aplanando vastas extensões da sua superfície. Sendo o principal agente da alteração (meteorização) das rochas, a água está na origem e assegura a evolução do solo, a entidade essencial à vida sobre as terras emersas. Nestes dois processos, a água tem vindo, desde sempre, a exercer erosão química sobre as rochas, carregando-se de sais que transporta para os oceanos. É esta a causa da salinidade da água do mar, estimada, em média, em 35 g por litro. Foi no seio da água que teve lugar a formação de algumas moléculas existentes no mundo orgânico, tais como açúcares simples, ácidos gordos, aminoácidos, entre outras.

Terão sido estas substâncias, acumuladas nos mares primitivos, ainda quentes, que geraram as primeiras fases de uma evolução molecular progressivamente mais complexa, mas ainda abiótica e, portanto, pré-biológica. Numa caminhada de complexidade crescente, algumas macromoléculas, surgidas dessa evolução, adquiriram capacidade de regular a informação genética, esbatendo a diferença que separa o mundo vivo do mundo mineral. Sempre no seio da água, os já então seres vivos foram melhorando a sua eficácia na utilização da energia e só muito mais tarde, uns três mil e quinhentos milhões de anos depois, a vida pôde sair do mar.

Galopim de Carvalho

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.