sábado, 1 de março de 2014

SOBRINHO SIMÕES NA REVISTA DO EXPRESSO ARRASA A ACTUAL POLÍTICA DE CIÊNCIA


A área privilegiada no programa de ciência do governo era a das ciências da vida e da saúde. Lê-se lá que se pretendia "reforçar o investimento em áreas críticas para o desenvolvimento social e económico de Portugal, nomeadamente nas ciências da vida e da saúde, com enormes repercussões financeiras na saúde pública, na agricultura, no ambiente e na biodiversidade." Manuel Sobrinho Simões é um dos maiores nomes da ciência nacional, precisamente na área das ciências da vida e da saúde, a tal privilegiada. Vejamos o balanço que ele faz em entrevista que saiu hoje na revista do Expresso:

"P - As questões que se colocavam há 25 anos, na formação do IPATIMUP, são muito diferentes das de hoje?

R - São, porque começámos numa altura em que Portugal praticamente não tinha ciência. O país é outro. O que é assustador é que nos últimos dois anos isto está outra vez tudo diferente.

P - Há agora um terreno adverso?

R - Sim, e é algo de muito recente (...)

P - Sentem agora a fuga de cérebros?

R - Sentimos (...)

P- Qual a dimensão dos cortes orçamentais no IPATIMUP?

R - Foram de 45% (...)

P - Há uma subversão dos objectivos iniciais?

R - A verdade é que isto no limite subverte (...)"

Se as ciências da vida e da saúde eram a área privilegiada... imagine-se o que aconteceu às outras. Houve mesmo áreas sumariamente extintas.

1 comentário:

  1. Se olharmos para os dinheiros públicos que, via fct, fluem para instituições privadas de investigação científica - leia-se champalimaud e gulbenkian - logo compreendemos o que o governo queria dizer com áreas privilegiadas...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.