terça-feira, 9 de novembro de 2010

HAWKING SOBRE DEUS E O BIG BANG


Da revista "Time" com data de 15 de Novembro transcrevo, traduzidas, duas respostas dadas por Stephen Hawking a dois leitores, a propósito so seu novo livro "The Grand Design":

"- Se Deus não existe, porque é que o conceito da sua existência se tornou quase universal?" Basanta Borah (Basileia, Suíça)

Eu não digo que Deus não existe. Deus é o nome que as pessoas dão à razão por que estamos aqui. Mas eu penso que essa razão reside nas leis da Física em vez de em alguém com o qual podemos ter uma relação pessoal. Um Deus impessoal.

- Será que o Universo vai acabar? Se sim, o que há para além dele? Paul Pearson (Hull, Inglaterra).

As observações indicam que o Universo se está a expandir a uma velocidade cada vez maior. Vai-se expandir para sempre, ficando mais vazio e mais escuro. Apesar de o Universo não ter um
fim, teve um início no Big Bang. Pode-se perguntar o que havia antes disso, mas a resposta é que não há nada antes do Big Bang, tal como há nada a Sul do Pólo Sul."

17 comentários:

  1. Para perguntas estúpidas... respostas nãomenos estúpidas! JCN

    ResponderEliminar
  2. Respostas que não respondem muito e por isso são estimulantes.

    Então basta mudar o conceito de Deus. A de Espinosa parece-me a melhor. Ouvir dizer que Einstein também concordaria.

    Vamos continuar pensando sobre o que havia antes do Big Bang, não importa o que diga os cientistas. E se amamos a Ciência, pensaremos ainda mais sobre isso!

    O trabalho de divulgação científica de Hawking merece muitos louvores.

    Abraços,
    Aldrin,
    Brasil.

    ResponderEliminar
  3. Conceito à parte, meu caro senhor, Deus não passa de uma simples palavra... de raiz indo-europeia! JCN

    ResponderEliminar
  4. Questiono-me, no que concerne a este tema, o que é que o Anónimo do 1º comentário consideraria uma pergunta interessante e que resposta lhe daria.

    ResponderEliminar
  5. Meu caro senhor e amigo: ser estúpido não quer dizer que não seja interessante! JCN

    ResponderEliminar
  6. Caro JCN,
    Acho que não sou suficientemente inteligente para me conseguir lembrar de algo que, neste contexto, seja simultaneamente estúpido e interessante...

    :)

    InCitador
    http://incitador.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Se o Hawking quiser saber o que há (havia?) antes do Big Bang, basta que alguém lhe traduza a resposta do Fiolhais a essa mesma questão. Para perguntas estúpidas, respostas estúpidas. O Hawking preferiu simplesmente não responder. O que é o mais inteligente a fazer quando se é cosmologista.

    ResponderEliminar
  8. José Batista da Ascenção10 de novembro de 2010 às 18:17

    Pergunta simples:

    Porque é que os sábios quando não sabem não respondem apenas que... não sabem?

    ResponderEliminar
  9. É que se não sabem... deixam de ser sábios! JCN

    ResponderEliminar
  10. In "The Grand Design" Hawking says that we are somewhat like goldfish in a curved fishbowl. Our perceptions are limited and warped by the kind of lenses we see through, “the interpretive structure of our human brains.” Albert Einstein rejected this subjective approach, common to much of quantum mechanics, but did admit that our view of reality is distorted.

    Einstein’s Special Theory of Relativity has the surprising consequences that “the same event, when viewed from inertial systems in motion with respect to each other, will seem to occur at different times, bodies will measure out at different lengths, and clocks will run at different speeds.” Light does travel in a curve, due to the gravity of matter, thereby distorting views from each perspective in this Universe. Similarly, mystics’ experience in divine oneness, which might be considered the same "eternal" event, viewed from various historical, cultural and personal perspectives, have occurred with different frequencies, degrees of realization and durations. This might help to explain the diversity in the expressions or reports of that spiritual awareness. What is seen is the same; it is the "seeing" which differs.

    In some sciences, all existence is described as matter or energy. In some of mysticism, only consciousness exists. Dark matter is 25%, and dark energy about 70%, of the critical density of this Universe. Divine essence, also not visible, emanates and sustains universal matter (mass/energy: visible/dark) and cosmic consciousness (f(x) raised to its greatest power). During suprarational consciousness, and beyond, mystics share in that essence to varying extents. [quoted from my e-book on comparative mysticism]

    ResponderEliminar
  11. Nuno O. Castel-Branco (P)10 de novembro de 2010 às 22:53

    Caro José Ascenção,
    Talvez seja falta de pilhas.
    Esta do "há nada a sul do polo sul" é um argumento brilhante, estamos a falar de que polo, o magnético ou o celeste, para cientista este Hawking está a ser muito pouco honesto.

    ResponderEliminar
  12. Muito interessante! O que acontecerá?

    ResponderEliminar
  13. Diante da história da Ciência, ficamos otimistas ou pessimistas?

    Eu fico otimista.

    Se a Ciência não vai mais longe que a Arte, a Filosofia e a Religião; isso não significa que ela não possa responder às perguntas que ela mesmo formulou.

    São os labirintos da linguagem e do conhecimento humano. É possível imaginar uma pergunta que não tenha resposta?

    Esta na hora de voltarmos a Francis Bacon e Kant.

    Abraços,
    Aldrin,
    Brasil

    ResponderEliminar
  14. É uma resposta pouco digna de um cientista. A menos que Hawking tenha feito experiências através do método cientifico que demonstrem que antes do Big-Bang não havia "nada". Naturalmente que também teria que nos mostrar o que é o "nada"

    ResponderEliminar
  15. Caro Dr. José Batista da Ascenção: permita que reduza a verso o seu especioso pensamento:

    Não pode o sábio deixar
    de mostrar que sabe tudo:
    correndo o risco de errar,
    o melhor é ficar mudo!

    JCN

    ResponderEliminar
  16. uma perspectiva diferente
    http://espectivas.wordpress.com/2010/11/10/isto-e-ciencia-ou-um-abutriu/

    ResponderEliminar
  17. É interessante como o homem comum mediano encara a possibilidade do fim, seja como a morte biológica ou o fim do Universo.
    É claro líquido e certo de que se não houver MENTE para analisar, "nada" existirá.
    Sem nada existente não existe Universo, nem deus, nem lembrança, nem hipótese, dessa forma então, pra que se preocupar com os fins?
    Mesmo Hawking mostra desconhecimento filosófico por não conseguir abarcar essa simples idéia.
    Se o Universo continuar a se expandir, esfriar e perder toda a chance de vida biológica e por consecução, vida inteligente, deveria tornar-se um "nada", já que não haveria nada para observá-lo.
    Sabemos que isso é mentira pois o que existe existe e não existe só há um tempo, então existiu sim, algo antes do Universo e do Big-Bang que já reteve a MENTE a qual poderíamos chamar de deus.

    Portanto o Universo é coeterno à MENTE e ambos sempre existiram e existirão, pois a única forma de confirmar que há algo é por meio desse algo.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.