sexta-feira, 17 de junho de 2022

SONETO TEIMOSO

Novo soneto de Eugénio Lisboa:


Quando eu nasci, as frases que hão de salvar a humanidade já estavam todas

escritas, só faltava uma coisa – salvar a humanidade.

Almada Negreiros


Ó Almada, tu até tens razão,

com esse teu espanto sempre tão certo!

As palavras têm sempre tesão,

mas deixam o mundo em desconcerto.


Mas que queres tu que faça quem escreve?

Que atire fora a sua caneta?

Se o pobre escriba ainda se atreve

a usar a palavra como cometa


que, cheio de luz, ameaça

as armadilhas sujas do canalha,

talvez mais não consiga do que pirraça


e do que acender um fogo de palha.

Mas persistir, sabendo bem que perde

rega o capinzal e mantém-no verde.


Eugénio Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...