sábado, 4 de junho de 2022

DE GATOS FALEMOS

 

Poema à Ísis, de Eugénio Lisboa:

 

A minha gatinha Ísis é minha

fiel companheira: nunca me deixa,

porque odeia o vazio. Estar sozinha,

só quando ela quer e, aí, não se queixa!

 

É-lhe difícil de compreender

como é que se pode não ser gato,

porque o resto que se possa ser

é de muitíssimo fraco formato.

 

O gato tem tudo e sabe tudo

quanto neste mundo vale saber,

ou, pelo menos, sabe quase tudo

 

e o que não sabe não chega a valer.

Ser ou não ser gato, eis a questão,

emendando Hamlet com muita razão!


Eugénio Lisboa, no seu

louvável esforço de

aprofundar cada vez

mais o conhecimento

destes mínimos tigres

de salão.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...