sábado, 11 de junho de 2022

 

És o meu braço e a fragrante axila.

És o meu lápis e o meu curvo traço.

És a penumbra e a matinal bruma.

És o céu lilás e minha rubra ilha.

 

És a minha dona e a minha ancila.

És todo o mar dos barcos e um sargaço.

És ástoma doçura e átomo de uva.

És mastro de sol e de barro quilha.

 

És pirâmide enorme e grão de areia.

És castelo no horizonte e ameia.

És colina em alor e o rio quedo.

 

És a minha intrepidez e o meu medo.

És o espinho verde e o sonho ledo.

O céu de água e toda a luz que me arqueia.

 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...