quinta-feira, 16 de junho de 2022

DE ALGUMA MANEIRA, CONFIÁMOS. NÃO DEVÍAMOS TÊ-LO FEITO!

Num artigo de opinião saído hoje no jornal Expresso, os investigadores que o assinam começam por afirmar:

"Cinco anos depois, Portugal é um país mais perigoso, mais despreparado e mais frágil. Cinco anos depois, os donos da floresta mandam mais do que nunca. Cinco anos depois, o abandono expandiu-se, como se expandiu o eucaliptal e como se expande o deserto. Cinco anos depois temos menos florestas, menos pessoas no interior, menos poder no meio rural e nenhum respeito pelas comunidades devastadas pelos incêndios de 2017."
E terminam, dizendo:
"Em 2017 e 2018 fomos ingénuos e deixámo-nos embalar pela possibilidade de haver lógica, decência e Humanidade na elite governante deste país. Enganámo-nos e deixámo-nos ser enganados. A virulência e a gula da indústria do papel não tem qualquer limite nem reconhece qualquer possibilidade de restrição, mesmo perante os piores cenários. Não voltaremos a ser ingénuos nem voltaremos a ser enganados, apesar do enorme poder da máquina de fumo e mentiras que dá aval à manutenção deste caos. Cinco anos mais tarde, respondemos que não assistiremos com complacência à condenação do interior e do país ao colapso."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...