quarta-feira, 26 de março de 2014

Química e Literatura: uma rede que se estende no tempo

Na rádio, televisão e internet, bombardeiam-nos todos os dias com as bolsas de valores que sobem e descem, mas há uma coisa que sobe todos os dias em cerca de três mil unidades e que não costuma ser notícia: o número de substâncias químicas conhecidas. Dos mais de oitenta e quatro milhões de substâncias actualmente conhecidas, muitas são as que moldam o nosso mundo de forma quase invisível. E muitas outras poderão, talvez, melhorar a nossa qualidade de vida e ajudar a enfrentar as crises que as leis da Finança, improdutiva em termos de substância, nos impõem. E tudo isso poderá, talvez, ser encontrado, de forma directa ou indirecta, na literatura e livros fundamentais da história da humanidade.

Assim, vamos procurar perceber o que é que a narrativa do Livro de Tobias da Bíblia tem que ver com a química. E o que é que a planta que Hermes dá a Ulisses, para este não ser afectado pelas drogas de Circe, tem que ver com a doença de Alzheimer. Vamos procurar a química na Odisseia, em Os Lusíadas, em A Selva de Ferreira de Casto, no conto O Leproso de Miguel Torga, em O Ano da Morte de Ricardo Reis de José Saramago, e em vários outras obras, procurando estabelecer as redes temporais e temáticas que evidenciam as mudanças que a química trouxe ao nosso mundo.

A palestra, Química e Literatura: uma rede que se estende no tempo, vai ser realizada no Anfiteatro do Departamento de Química (no primeiro piso, ao fundo do corredor do lado direito) pelas 15 horas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.