sexta-feira, 21 de março de 2014

QUEIXA AO PROVEDOR DO TELESPECTADOR

(formulário para envio de queixas ao provedor do telespectador aqui)

Exmo Sr. Provedor,

Segundo o relatório Ciência no Ecrã, da autoria da ERC e do Instituto Gulbenkian de Ciência:

- apenas 0,8% do tempo dos telejornais em horário nobre é dedicado à ciência
- a duração média das peças de ciência no telejornal da RTP é de três minutos e vinte e quatro segundos
- 92% delas têm menos de 5 minutos.

No entanto, a televisão pública resolveu criar uma secção regular para  no telejornal das oito, a que chamou "acreditar", para publicitar pseudociência sem qualquer contraditório:

- No dia 17 de Março a estação pública de televisão resolveu usar 7 minutos do telejornal para fazer publicidade a um especialista em "medicina popular", que afirma diagnósticos médicos medindo, aos palmos, a roupa dos pacientes.

- No dia 19 de Março, foram dados 6 minutos e 15 segundos no horário mais nobre da televisão pública a uma cartomante, que diz acertar em 90% das vezes.

- No dia seguinte a RTP usou mais 7 minutos e 24 segundos para fazer publicidade a uma fitoterapêuta que afirma fazer diagnósticos de doenças graves através da leitura da íris, que afirma tratar o cancro de uma paciente com uma raiz que "tem a forma do corpo humano" e conclui dizendo que "a quântica pode determinar a data da morte do ser humano".

Em quatro dias, a televisão pública gastou 20 minutos e 39 segundos a fazer publicidade enganosa, quando a sua obrigação de serviço público seria ajudar a esclarecer este enganos e a não a promovê-los.

1 comentário:

  1. Caro David, comentários para quê? Espantemo-nos portanto, quando, um destes dias, um destes canais transmita a nova "temporada" de Cosmos. Eu vou, claro, esperar sentado!...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.