segunda-feira, 31 de março de 2014

EM LOUVOR DA HISTÓRIA DA CIÊNCIA

Os nossos gestores da Fundação para a Ciência e Tecnologia consideram a História da Ciência uma disciplina menor, tendo-a sacrificado no altar das suas "fronteiras da ciência". Lembrei-me deles - e tive pena deles - ao ler este texto do grande Isaac Asimov, no livro "A Nova Dimensão. Teoremas" (Galeria Panorama, 1973) de que já aqui falei. Escreveu Asimov na Introdução a esse livro este belo texto em louvor da História da Ciência:
 "Há um bom par de anos, acabava eu de ser nomeado assistente universitário, fui apresentado a um eminente historiador de ciência. Nesse tempo apenas pude olhá-lo com uma condescente tolerância. 

Lamentei um homem que, segundo me parecia, era obrigado a pairar sobre os limites da ciência. Tinha de tremer eternamente de frio nos arrabaldes, obtendo apenas um pouco de calor do sol distante da ciência, enquanto eu, que iniciava o meu trabalho de investigação, estava mergulhado no forte e líquido calor do próprio centro do seu brilho. 

Numa vida inteira de muitos erros, nunca errei tanto. Era eu, e não ele, que vagabundeava na periferia. Era ele, e não eu, que vivia em plena fogueira. 

Tinha sido vítima da lenda do "limite cada vez mais longínquo", da crença de que só a fronteira autêntica da ciência apontava, de que tudo quanto tinha ficado para trás pelo progresso se dissipara e  morrera. Mas será iso verdade? Se uma árvore se enche de rebentos de verão e reverdece, cobrindo-se de folhas, essas folhas serão a árvore? Se as novas hastes e as suas folhas fossem tudo quanto existisse, formariam um vago halo esverdeado, suspenso no meio do ar, mas por certo que isso não seria a árvore, As folhas, por si próprias, não são mais do uma decoração trivial e trémula. São o tronco e os ramos que dão à árvore a sua grandeza..."

Isaac Asimov

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.