segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Substitutos? Naaah!

Apareceu recentemente nos cinemas um filme intitulado "Substitutos" ("Surrogates" no original em inglês). Segundo esse filme, os robôs viveriam por nós apesar de comandados pelo nosso cérebro através de uma ligação remota. Ficção científica e show-business. O habitual em Hollywood.

Podem ver aqui o trailer do filme:



É preciso saber distinguir a ficção da realidade. Os robôs representados no filme estão fora do nosso alcance, isto é, nem são possíveis hoje, nem é realista admitir que sejam tecnicamente possíveis em menos de 30 anos.

No entanto, a robótica actual tem sido usada para ajudar as pessoas. Não para as substituir, mas para permitir que realizem tarefas de uma forma mais simples e mais confortável. Um BOM exemplo é a utilização de robôs para melhorar a performance física daqueles que perderam qualidades motoras: por acidente, doença ou devido à idade. A Honda, por exemplo, lançou recentemente um protótipo que permite auxiliar a locomoção humana.



:-)

9 comentários:

  1. Um robot com um cérebro humano seria um ser humano? Por exemplo: teria direitos?

    ResponderEliminar
  2. O afastamento da humanidade da sua natureza é perigoso, mas a mesma é , per si, caótica e anárquica e simultâneamente bela e harmoniosa.

    Será a junção da humanidade com a máquina o nosso destino inevitável?,

    Em 1936, Turing elabora o “manifesto da nova ordem electrónica”. O mesmo,dá -nos a descrição simbólica que revela uma estrutura lógica e não uma construção de
    uma estrutura (Forester, 1993:67 -68). No Entanto, em 1950, “Machinery and intelligence”
    convence -nos de que os computadores tinham capacidade de imitação da inteligência
    humana (Forester, 1993:67 -68), criando -se, a partir deste momento o termo inteligência
    artificial, associando as tarefas dos computadores ao controlo e comando no mundo científico e empresarial (Forester, 1993:67 -68).

    Abç,
    Madalena

    ResponderEliminar
  3. Uma referência na discucão "evolucão do homem e maquina" é Ray Kurzweil, que faz várias previsões interessantes, nomeadamente a homem e máquina serão um e que computadores terão brevemente a capacidade de cálculo do cerebro humano e num futuro próximo a capacidade de simular o funcionamento do cerebro (isto sem dizer que o computador será capaz de pensar).
    João Silva

    ResponderEliminar
  4. Cara Vera,
    estamos muito longe de ser capaz de utilizar cérebros humanos, ou algo que se assemelhe. Nem me parece um caminho a seguir. Mas os robôs inteligentes, qd existirem, terão direitos... não tenho dúvida sobre isso.
    :-)

    norberto

    ResponderEliminar
  5. Norberto:

    Calculo que a utilização de cérebros humanos em computadores seja uma possibilidade muito longínqua - mera ficção científica. Mas isso não nos impede de pensar um pouco.
    Tratar-se-ia de seres humanos ou não?
    Seja qual for a resposta que se dê a essa pergunta, é interessante que possamos dizer desde já que tais seres teriam direitos. Não seria, portanto, ético utilizá-los como "escravos".
    Mas... seriam humanos? O que é ser um ser humano?

    ResponderEliminar
  6. Vera:
    Não seriam seres humanos claro. Mas imagine um robô comandado por um cérebro humano, possibilidade muito longínqua, mas que será possível um dia. Ou com um cérebro construído à imagem do humano, talvez até melhorado. Serão seres diferentes dos humanos, mas que terão direitos. Não tenho dúvida sobre isso. E se construídos com regras terão comportamentos equivalentes aos humanos, pelo que se aplicarão direitos e deveres.

    Mas a maior confusão não será essa, de serem ou não humanos.

    Poderão votar?
    Trabalham, logo têm salário?
    Pagam impostos?
    Têm segurança-social?
    Podem ser eleitos? Deputados, presidentes?
    Podem casar?
    Ter filhos?

    :-)

    Imagine as possibilidades de perguntas.

    O conceito de ser humano tem a ver com a nossa genética (identificação como espécie), e toda a forma como somos gerados. O problema é que um robô que tenha algo biológico, o cérebro por exemplo, aproxima-se do ser humano na forma de agir, mas haverá sempre a dúvida se foi manipulado e até que ponto é humano. Existirá uma classificação qualquer com base na forma de construção, etc. Com regras muito apertadas.

    Enfim... mas isto sou eu a pensar alto.

    :-)

    norberto

    ResponderEliminar
  7. Seres humanos orgânicos não seriam , seriam talvez seres humanos mecânicos ou organico- mecânicos( hibridos)ou seres humanos mecânicos .
    Teriam direitos e deveres ? claro, como qualquer ser vivo ou como qualquer ser sensível autónomo , da mesma maneira que os animais têm emoções e sentimentos e certamente tb direitos e deveres.

    Abç,
    Madalena

    ResponderEliminar
  8. corrijo : Seres humanos orgânicos serão ( alguns), num futuro, talvez seres humanos mecânicos ou orgânico- mecânicos( hibridos)ou seres humanos mecânicos ?

    Madalena

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.