terça-feira, 28 de maio de 2019

A Revisão da Carreira Docente e Avaliação dos Professores


Meu artigo de opinião saído hoje no “Jornal as Beiras”, a que acrescento esta introdução de que acabo de tomar conhecimento: “A escola francesa – fábrica de cidadãos, motor da meritocracia e pilar histórico da identidade da França republicana – volta ao básico. Ler, escrever, contar, respeitar. (…) No ano e meio que está no governo; Blanquer [ministro da Educação Nacional], que deu impulso à proibição de telefones celulares nas classes, também tem promovido o aprendizado de latim e grego” (‘El País’, 23/11/2018):
“Entre nós a mediocridade é ainda decreto”

João Lobo Antunes, neurocirurgião (1994-2016)
Segundo o “Expresso” (11/05/2019), “Costa recusa uma ideia que já ganhou lastro no PS e no Governo: a de que se devia mexer nas carreiras e avaliação dos docentes, como pedia a direita”. Releve-se, ainda, que “até na ala esquerda [do Partido Socialista] se admite que era desejável”.

Num país bicéfalo em questões de Ensino, por um lado uma belicosa Fenprof, por outro lado tíbios ministérios da tutela permeáveis a pressões sindicais, existe e prospera uma carreira docente única, sem paralelo no mundo, para professores do básico e secundário, que nem a época Gonçalvista teve a coragem de criar.

E nesta anómala situação, em vésperas de eleições para o Parlamento Europeu, assiste-se a uma espécie de tréguas sagradas, a exemplo da Grécia Antiga, durante os Jogos Olímpicos: o governo não mexe nas carreiras e avaliação dos docentes e a Fenprof compromete-se a desconvocar uma greve ameaçadora à avaliação dos alunos por si previamente gritada aos quatro ventos!  

Trata-se de uma carreira docente que nivela por igual todos os professores submetendo-os ao suplício de um  hodierno “Leito de Procusto”, da mitologia grega, “esticando os professores menos letrados e amputando as pernas aos mais habilitados para, nesse parto teratológico, caberem todos os docentes com parca distinção das respectivas estaturas científica, técnica e pedagógica”, como escrevi na introdução do meu livro: “O Leito de Procusto” e o subtítulo: “Crónicas Sobre o Sistema Educativo” (Outubro de 2005).
Anos atrás, num meu artigo de opinião, formulei a pergunta sobre a percentagem de professores negativamente avaliada. Até hoje silêncio absoluto, mantendo-se, como tal, de pé a questão a que ninguém responde o que me leva a pensar  ser ela residual e, como tal, demonstrativa do facilitismo da avaliação dos professores.

Só um julgamento enviesado à partida por interesses sindicais  pode fazer engolir à opinião pública a pílula da boa qualidade de todos os docentes, como tal, dignos de chegarem ao topo da carreira docente com idêntica desfaçatez de considerar que todos  os pianistas  são  aptos a pertencerem a uma orquestra de música erudita. Em minha defesa, evoco a inexistência de antigos alunos que se não recordem  dos bons e maus professores que tiveram, prestando  homenagem aqueles e invectivando estes.

A não ser por surto amnésico, considero isso impossível embora possa ser contraditado por “haver sempre uma caterva de ingénuos prontos a escrever a história da última idiotice, a solenizar as tolices, a encontrar significados recônditos nas nulidades, a conceder entrada às imbecilidades no ensino  de todas ordens e graus, pensando que fazem obra democrática e progressista” (Mario Perniola, professor da Universidade ‘Tor Vergata’ de Roma).
Estas personagens, sob a capa de pedagogos progressistas, não passam de bobos de uma maltratada pedagogia ao serviço de determinados fins políticos!   

1 comentário:

  1. Um professor de Física, ou de Química, do 12.º ano, não pode pertencer à carreira profissional de um educador de infância. Ponto final.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.