quinta-feira, 15 de abril de 2010

Um país de analfabetos

Final do artigo "Um país de analfabetos" de Vasco Graça Moura no "Diário de Notícias" de ontem sobre um estudo sobre a literacia em Portugal:
"Este estudo é supérfluo, na medida em que vem confirmar o que tanta gente tem andado a dizer e hoje toda a gente sabe. E isso resume-se assim, descontadas as fórmulas edulcorantes: Portugal é um país de analfabetos cujas políticas de educação têm falhado cronicamente.

É também um país em que a cultura e a língua materna se degradam de um modo estarrecedor e em que o Ministério da Educação tem de rever com a maior urgência e plena autoridade os programas que a tais matérias dizem respeito."
O artigo todo está aqui.

7 comentários:

  1. Nossa! Este trecho poderia facilmente estar a falar do Brasil, aqui acontece o mesmo. E costumo dizer que nosso Ministério da Educação tem sido uma dos maiores impecilhos para o desenvolvimento da (boa) educação. Estamos mal, cá e lá.

    ResponderEliminar
  2. O interesse que me despertou este artigo fez com que ontem ´nele pusesse este comentário:

    "A acutilante, e tragicamente verdadeira, frase de Vasco da Graça Moura -'Portugal é um país de analfabetos '-, merece ser complementada pela adjectivação do falecido Francisco de Sousa Tavares: 'Analfabetos diplomados'.

    Diplomados a nível básico, secundário e, até, superior na loucura de mediocratizar (em vez de democratizar) o ensino nacional".

    ResponderEliminar
  3. O Rui não escreve sem citar. Mesmo que citação seja completamente supérflua e surja sem qualquer comentário adicional. Afinal, ao Rui só lhe interessa mostrar erudição, como se o erudito fosse uma roleta de citações.


    O Rui gosta de comentar. Mesmo que o comentário seja apenas para comentar que comentou. Mesmo que o comentário seja apenas para repetir o comentário que já tinha feito. Afinal, ao Rui só lhe interessa mostrar que comenta, como se os seus comentários fossem imperdíveis.

    O Rui gosta de dizer o óbvio. Mesmo que toda a gente já o saiba e já o tenha ouvido mil vezes. Afinal, ao Rui só lhe interessa mostrar que todos concordam com o que diz, como se a verdade fosse a voz da doxa.

    O Rui gosta de se mostrar como um pensador. Infelizmente, e como está bem à mostra, o Rui não sabe pensar.

    ResponderEliminar
  4. Acaso o sr. Graça Mouroa acha-se a cima dos analfabetos?! JCN

    ResponderEliminar
  5. o graça moura é um idiota. talvez um dia possa escrever isto assim, tal como o penso, numa revista internacional.

    O graça moura chumbava num exame básico de matemática. Ai o graça moura e as equações, ai ai. deus ajude os graça moura deste mundo quando a verdade os soterrar. Ui ui.

    o Luís Silva tem toda a razão. E a colagem do Rui Baptista às opiniões do graça moura não surpreende, como facilmente se pode perceber.

    Ai estes iluminados escrevinhadores na imprensa de casa-de-banho que são os jornais sérios em portugal. Ai, o fim do mundo, e mais um jornal e mais uma opinião. Ai que me sobe uma eterna bondade pela dorsal acima.

    ResponderEliminar
  6. O Luís tem o direito a ter opinião, e por isso opina que eu não sei pensar.

    É capaz de ter razão. Eu devia ter pensado em não comentar a sua opinião. Na primeira todos caem, prometo não voltar a reincidir.

    ResponderEliminar
  7. Peço desculpa aos possíveis leitores do meu comentário do passado dia 15 (09:20). A frase de Francidsco Sousa Tavares (que citei de memória) está incompleta e incorrecta.

    A referida frase é esta, na íntegra:

    "Estamos a formar não um país de analfabetos, como até aqui, mas um país de burros diplomados".

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.