sexta-feira, 24 de agosto de 2012

CICLOS SOLARES


Meu artigo saído hoje no "Sol":

O Sol tem ciclos. Quando o jornal “Sol” apareceu nas bancas, em 16 de Setembro de 2006, o 23.º ciclo solar aproximava-se do fim, mas hoje, já desde Dezembro de 2008, estamos no 24.º ciclo. Os ciclos da nossa estrela não são exactamente regulares, pois a sua duração tem variado entre 9 e 13 anos, com a média de 11. Por isso, ninguém sabe quando acabará o 24.ºl ciclo solar. Mas, em 2013, é previsível que cheguemos a meio do actual ciclo, devendo então a actividade solar atingir um novo máximo. Há quem receie uma grande actividade no próximo ano, mas tudo indica que ela vai ser apenas moderada. Não vai haver nenhum fim do mundo.

Como se medem os ciclos solares? Porque vamos no ciclo 24? Os ciclos são medidos contando as manchas na face do Sol. Essa contagem só começou a a ser feita partir de 1755, embora haja registos de anteriores observações de manchas. Galileu, por exemplo, observou no início do século XVII manchas solares, tendo polemizado com o padre jesuíta Scheiner acerca desse fenómeno. Curiosamente, na segunda metade do século XVIII, embora tivessem persistido os ciclos, a actividade solar reduziu-se drasticamente, pelo que esse período ficou conhecido por “mínimo de Maunder” (do nome de um astrónomo inglês) . Pelo contrário, em torno de 1950, observou-se o chamado “máximo moderno”.

Embora pareçam pequenas vistas da Terra, essas manchas cobrem enormes zonas. Parecem escuras por a sua temperatura bastante mais baixa do que no resto do astro-rei. Sabe-se desde o início do século XX que essas regiões são especialmente magnéticas. Aparecem graças aos movimentos do plasma, a matéria muito quente em desalinho no interior da nossa estrela. Alguma irregularidade no aparecimento das manchas reflecte a complexidade da dinâmica nas entranhas solares. Mas o ciclo, que está associado a inversões periódicas do campo magnético solar, permanece misterioso. Para aprendermos mais, temos de continuar a olhar para o Sol. Na astrofísica, como em geral na ciência, é bem mais o que não sabemos do que aquilo que sabemos.

PS) Também o “Sol”, que em breve comemorará seis anos, tem ciclos. Com a renovação do semanário, cessa a minha coluna “Heliosfera”. Ao jornal que me acolheu e, acima de tudo, a todos os leitores, o meu muito obrigado.

1 comentário:

  1. Oh Seu Rerum Natura no sentido primitivo de fazer nascer* reconhecível às intimidades sobre Ciclos Solares segundo Johann Rudolf Wolf... Eu gostaria de conversar com observadores das atividades Solares por mais de três Ciclos.
    Podes me chamar de Claudio Lima através do Email claudiololiveira@hotmail.com Abraço Astronômico*

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.