The rules of the game: the evaluation of Portuguese research units

terça-feira, 1 de Maio de 2012

Sapato de salto e cérebro de trolha

Continuação do diálogo entre António Mouzinho e Desidério Murcho, aqui e não nos comentários dado o tamanho:

Caro Desidério Murcho:
Há, atualmente, uma sequência de graus de ensino com regras de precedência. Isso explica o porquê da sua tranquilidade como professor na universidade: depois de si, resta o trabalho. Que seja de investigação, de estiva, de professorado, ou lá o que for — resta o trabalho. Resta, portanto, aquilo que quem emprega acha do diploma que é passado pela sua instituição, e do caso concreto que é o indivíduo que surge como titular dessa sabedoria.
Para trás da sua faculdade, o jogo é outro: cada grau de ensino ministra um conjunto de conhecimentos que dá acesso, principalmente, ao grau seguinte. Principalmente? Não: na prática, simplesmente.
Então, cada grau de ensino limita-se a criar a qualificação reconhecida pelo grau seguinte. Como este é o estado das coisas, é por aqui que devemos começar o raciocínio.
Pergunto eu: qualificação segundo uma pluralidade de critérios?
E respondo logo: Deus nos livre! Segundo curricula nacionais que, praticados, permitem a graduação de qualquer menino.
Concordo consigo quanto à necessidade de liberalizar o ensino. Dê-me o beneficio de uns minutos (o tempo deste raciocínio, e deste artigo) para se questionar se deve, ou não, existir um plano de enquadramento nacional.
1.      Repare que há situações diferentes: falando de um dos meus terrenos, a Geometria Descritiva, diria que não é controverso o que há que saber: representação de ponto, reta e plano, e das suas inter-relações, representação de sólidos, isolados e em relação com o resto, representação de superfícies, idem, e por aí fora. O que é que um curriculum nacional poderá dizer sobre o assunto? Que os alunos do ensino secundário que queiram prosseguir carreira em certas formações universitárias deverão ter esse conhecimento, como pré-requisito. E o que é que o ensino público pode fazer? Pode inseri-lo no plano curricular das escolas secundárias, entregando a professores qualificados a tarefa de dar essas aulas. Segundo que critérios? Os que esses professores entenderem mais corretos. Como verificar os resultados? Com exames nacionais, ou locais, de qualidade, de onde emerge a certificação.
2.      Imaginemos, agora, o ensino liberalizado, mas sem apoio no curriculum nacional: cada escola terá um colégio que produz uma ideia sobre o que é necessário ensinar, recrutando docentes de acordo com isso. Ou cada escola não tem colégio nenhum, apenas se propõe como gestora de prestação de serviços, sujeitando-se à oferta e à procura. As escolas põem anúncios nos jornais, e os professores deambulam entre instituições de ensino, oferecendo os seus talentos por um ordenado semanal, ou mensal, ou anual. Como é que conseguimos certificar os resultados? Através do mesmo sistema de exames nacionais, ou locais? Seja. Mas não havendo supervisão estatal, quem verifica a qualidade da avaliação? O mercado de emprego? Então como é que o Estado garante a maior possível igualdade de oportunidades? O que fazer ao menino pobre de uma aldeia interior que não teve a oferta do seu colega do litoral urbano? O que fazer ao jovem que, aos 18 ou aos 23 anos, se encontra na posse de um diploma desdenhado?
Tenho angústias com o discurso estratosférico: com cérebro de trolha, preciso de referências palpáveis. Digamos então: do primeiro ciclo do básico deverão sair miúdos que sabem ler, escrever, contar e calcular. Que conhecem a História e a Geografia do país onde vivem, que conseguem mapear o seu presente e o seu passado. Que percebem o que é o conhecimento científico e a Natureza, ganharam o gosto pela interrogação, e tiveram contacto com o que é experimentar. Que se exprimem com um conhecimento rudimentar, mas estruturado, da língua materna, e complementam isso com um conhecimento ainda mais rudimentar, mas estruturado, de uma língua estrangeira. Que praticaram alguma música e alguma atividade artística. Que fizeram alguma coisa com as mãos.
Ponto, parágrafo: isto foi o 1.º ciclo do ensino básico.
Sugere-me que os professores poderão estar à solta, e as escolas, e tudo quanto mexe, e o ministério não interfere — ou nem existe —, e não há exames. E que o menino é avaliado, e transita de ciclo. Com que critérios? Os do consenso geral? A sociedade decide, por tentativa e erro, o que é melhor?
Dando de barato que isto acontece, com quantas baixas pelo caminho?
É que, meu amigo, neste solto e livre processo haverá muita ignorância, muita incompetência, muita fraude… muitas coisas indesejáveis, em suma. À mistura com bom e excelente ensino, bem entendido.
Admitamos que a sociedade faz a triagem. Sobram as vítimas: os garotos foram enganados, têm um punhado de coisa nenhuma e perderam o primeiro comboio. Não são sapatos rejeitados pelo mercado: são ex-alunos do 1.º ciclo do básico. E do 2.º, e por aí fora, e chegaram à faculdade, ou ao instituto, e alguém lhes diz: meus senhores, a vossa ignorância dói, vão estudar para um lado qualquer e voltem um dia — apresentáveis. Ou à empresa, que afirma: meu caro, você está atrás da rapaziada que vem da instituição tal e tal, porque temos boa experiência com esses fulanos.
Estou a raciocinar em termos de sapatos.
E estou de acordo consigo: não se aprende a ser romancista, ou professor, ou médico. Não se aprende a ser coisa nenhuma, de facto. Aprende-se, no entanto, coisas que permitem que as vocações tenham corpo; possuam substância e adquiram peso. Que o médico saiba medicina. O romancista escrever. O professor ensinar.
Os colegas (?) que tudo fazem para que eu ensine pior, estão lá porque uma lei idiota baralhou e esfumou algo muito simples (One Very Simple Principle): havendo um curriculum nacional de consenso, os professores serão responsabilizáveis por ministrar — aí, sim, como entenderem — a instrução nacional.
A minha zanga é com a lei iníqua. Não com a necessidade de definir o curriculum e até os conteúdos das disciplinas. Não com a necessidade de poder afirmar que qualquer criança que disponha de determinados conhecimentos vale tanto como qualquer outra, independentemente do custo da instituição onde eles foram ministrados, do carro que os pais têm, do tipo de férias ou da feitura das camisas que usa.
A justiça social depende de, definidas as necessidades curriculares — verificar se, efetivamente, o aluno domina as áreas referidas.
A justiça social não pode depender de leis de mercado a fazer triagem de ensinos de todas as cores, ao sabor dos pedagogos, das instituições e de programas variados, num quadro liberal em que o mar bate na rocha — e o mexilhão são meninas e meninos. Não são sapatos.
Garantir políticas de aproximação à igualdade de oportunidades é serviço público, e garantia de mais liberdade.
Vou reler o Stuart Mill, prometo. Já o tinha descarregado para o Kindle, há uns tempos, e foi gratuito; veio a propósito de um texto da Gertrude Himmelfarb que devorei, no seu livro de ensaios On Looking Into the Abyss—Untimely Thoughts on Culture and Society, de que é o IV capítulo: chama-se Liberty: "One Very Simple Principle".
Ou seja: honestamente, também vou olhando para os críticos: eles andam aí…
Deixo-lhe um abraço, manifestamente, fraterno: penso, de facto, que andamos todos na mesma guerra, fartos da mesmíssima coisa, a querer o melhor para as jovens cabeças nacionais.
António Mouzinho

6 comentários:

  1. Muito bem.

    Ja tive ocasião de debater este topico com o Desidério e continua-me a causar perplexidade a posição dele.

    Afinal, simplificando um pouco, podemos considerar que a plena "liberdade" pela qual ele tanto anseia imperou durante séculos, antes de existir serviço publico de educação. Os mestres eram profisionais verdadeiramente liberais que administravam a sua arte em total independência, quer para os filhos das familias abastadas que podiam (e queriam) pagar, quer em instituições religiosas que funcionavam na base da caridade. Convenhamos que, com esse sistema, o risco de fraude e de dilapidação do dinheiro dos educandos era, senão minimo, pelo menos proporcional à credulidade e à estupidez natural das suas familias, que devemos supor quantidade desprezivel.

    O nivel de educação da população geral é que não era exactamente o mesmo...

    Sera esse o sistema que o Desidério acha bom ?

    Sinceramente, gostava de saber.

    Abraços e mais uma vez estamos todos de parabéns por ele estar de volta às lides blogosféricas.

    joão viegas

    ResponderEliminar
  2. É curioso como as consequências desagradáveis que você refere que resultariam da libertação do ensino são precisamente as que se vêem hoje. E hoje há currículos nacionais e exames e directrizes. Mas você argumentará que o problema é que são maus. E a resposta é que serão sempre maus, porque são maus há quase 40 anos e há quase 40 anos que andamos a discutir sem proveito o ensino.

    Com liberdade de ensino o que você tem é mais qualidade e não menos. Isto porque os professores responderão às duas coisas mais importantes a que um profissional de qualquer área deve responder: à sua consciência e aos destinatários do seu mister, que são os alunos e pais.

    Você defende que no final de cada ciclo os alunos devem ter adquirido certas competências. Mas hoje, se você for honesto, terá de concordar que o maior obstáculo a que essa clareza de visão exista, e que os alunos efectivamente tenham adquirido tais competências, é precisamente o Ministério da Educação. Com liberdade, os objectivos de cada ciclo seriam claros para a generalidade de pais e professores; e porque não haveria a intervenção sempre doutrinária e de tendência fascista do estado português, os alunos seriam melhor preparados para essas competências. Porquê? Porque é isso que os professores melhor sabem fazer, apesar de tudo, e porque é isso que alunos e pais esperam da escola. A grande dificuldade actual é que o ministério não quer que o professor de geometria ensine geometria, mas antes pensamento geométrico, misturado com cidadania e mil coisas que nada têm a ver. E quando o ministério faz exames nacionais são tão tolos que custa a entender até a pergunta.

    A liberdade de ensino não é incompatível com padrões nacionais, tal como a liberdade dos jornais não é incompatível com jornais nacionais. A liberdade de ensino permite que você e outros professores de geometria se organizem voluntariamente, façam uma associação, e façam exames externos nacionais. Apenas poderá haver outros professores de geometria com ideias diferentes das suas, que farão uma associação diferente. Não vejo qual é o problema disso. Significa que os pais poderiam escolher.

    Finalmente, é surpreendente usar como argumento contra mim que em certas cidades as pessoas não têm a escolha de comprar o Notícias do Fundão, pelo que o melhor é acabar com esse jornal e fazer um só jornal nacional (qual deles? ah, claro, aquele que mais agrada ao poder político). Eu admito que numa cidade menor, pais e alunos terão menos escolhas do que numa cidade grande. Mas hoje não têm escolha alguma. Ah, claro, a menos que sejam ricos: aí têm realmente sempre escolha, que é em geram um colégio privado muito caro, onde se dá boa educação a que os pobres não podem chegar.

    ResponderEliminar
  3. José Batista da Ascenção2 de Maio de 2012 às 21:26

    Caro Desidério Murcho:

    Um pequenino comentário: a sua frase "quando o ministério faz

    exames nacionais [esses exames] são tão tolos que custa a entender

    até as perguntas" é, infelizmente, e profundamente e radicalmente e

    exatissimamente verdadeira.

    Há aqui excesso? Há. Mas apenas na falta de qualidade dos exames

    que o ministério tem feito. Creio que o formato bem se podia

    classificar como "eduquês cristalino".

    Obrigado pela coragem. E pelo desassombro.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Obrigado, José.

    E aproveito para acrescentar algo que me parece crucial. Uma das vantagens de libertarmos o ensino seria podermos passar a fazer o que realmente conta pelo ensino: o que consideramos boas directrizes, bons manuais, boa formação, bons exames. E se outros professores consideram isso mau e têm alternativas, muito bem: arregacem as mangas, e façam-nas, efectivem-nas. Qual é o problema de haver pluralismo?

    Não podemos fazer estas coisas enquanto andamos a fingir que é possível um consenso -- ou sequer que o queremos -- entre professores que discordam profundamente sobre o que é de ensinar em matemática ou filosofia e como e em que níveis de ensino. É um fingimento porque nem sequer se tenta um consenso: tudo o que se tenta é ganhar o poder, para impor aos adversários invisíveis a nossa concepção do ensino. A esses adversários invisíveis chama-se muitas vezes o eduquês, e só a designação já esconde a mentira de querer meter toda a gente que discorda de nós no mesmo saco.

    Na verdade, esta conversa estéril que dura há anos faz o jogo dos incompetentes: é que enquanto se discute coisas vagas sobre o ensino -- há ou não exames, fazemos assim ou assado -- as suas verdadeiras incompetências não se vêem: é que se eles tiverem de escrever duas páginas lúcidas sobre a área da sua especialidade -- filosofia ou história, física ou matemática, literatura ou música -- só sai asneiras que custam a entender, na melhor tradição do pior academismo salazarista nacional.

    Do que precisamos é que cada grupo de professores, segundo os seus ideais do que é o ensino de excelência, possa desenvolver em sossego manuais, directrizes, exames, avaliações, formação, sem a interferência de um Ministério e dos professores a quem o Ministério dá poder para interferir e tentar prejudicar tanto quanto possível o trabalho de quem realmente está apostado na excelência educativa.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.