quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Obrigada


Devemos declarar o dia de hoje, 26 de Janeiro de 2011, como um dia feliz. É um dia em que Portugal fica mais rico, e o mundo que ama a poesia também: o espólio literário de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) foi doado pela sua família à Biblioteca Nacional. A cerimómia oficial será mais logo, às quatro horas da tarde.

Permanece, assim, seguro para o futuro este legado, haverá quem o ordene, o torne acessível a todos os que o quiser investigar, resultando daí o seu conhecimento mais alargado e mais profundo.

Falando em nome próprio e no nome de De Rerum Natura, agradeço a todos os que tornaram possível esta partilha, em especial a Maria Andresen, filha de Sophia.

20 comentários:

  1. Apreciador da Poesia de Sophia de Mello Breyner, e da sua prosa, e, outrossim, da sua actividade como cidadã de esquerda, lúcida e honesta, dela guardo o seguinte princípio como bandeira do seu posicionamento cívico: "Acho que não se pode criar em nome do antifascismo um novo fascismo" ("Correspondência- Sophia de Mello Breyner/Jorge de Sena", Guerra e Paz, Editores SA, Lisboa 2006, pp.35-36). E todos nós estamos (ou devemos estar) recodados do perigo que correu Portugal saído de 25 de Abril em embarcar no social-fascismo.

    ResponderEliminar
  2. "DIAS FELIZES"

    Todos os dias deveriam ser
    dias festivos para a Poesia
    dado ser ela que permite ver
    de um povo a interior fisionomia.

    São Poetas como a órfica Sophia
    que a alma nos levam a reconhecer
    perfis morais que a gente não sabia
    em nós haver e não se perceber.

    Ninguém melhor que Régio, Torga ou ela
    para nas linhas puras dos seus versos
    nos revelarem novos universos.

    Diariamente, pois, em cada estrela
    se deveria pôr, envolto em louro,
    de cada Poeta o nome escrito a ouro!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar
  3. Um sinónimo para a prosa poética de Sophia é encantamento. Todo o trabalho de Sophia dá sentido à humanidade. Bem hajam todos os que contribuíram para o tornar acessível às gerações actuais e vindouras.

    E já agora, parece que na última entrevista que deu disse qualquer coisa como "Gostava que houvesse justiça social e o fosso entre ricos e pobres não fosse tão escandaloso. O resto pouco me interessa". Grande Senhora-poeta!!!
    HR

    HR

    ResponderEliminar
  4. Por argilosa taça decorada
    de báquicas figuras eleusinas
    bebeu Sophia as águas cristalinas
    da fonte de Castália, de passada:

    e desde então seus versos têm o aroma
    da Grécia antiga e da cesárea Roma!

    JCN

    ResponderEliminar
  5. Não foi por outra faceta
    que Sophia se afirmou,
    mas tão-só por ser Poeta
    é que ela se consagrou!

    JCN

    ResponderEliminar
  6. Cursando filologia
    após fazer o liceu,
    a cultíssima Sophia
    por vasos gregos bebeu!

    JCN

    ResponderEliminar
  7. Em termos de poesia
    emparceirou com Orfeu,
    com quem tem analogia
    nos poemas que escreveu!

    JCN

    ResponderEliminar
  8. Para se ser um Poeta
    não basta a sabedoria:
    há que ter via directa
    para a santa eucaristia!

    JCN

    ResponderEliminar
  9. JCN,

    Os seus textos em forma de verso são chatos. Os meus normalmente têm pouco interesse, mas também a única intenção é mostrar a quem sabe escrever que é lido. Os seus pseudo versos são presunçosos e, repito, chatos. Não sei como ainda ninguém o convidou a mirar-se ao espelho.
    HR

    ResponderEliminar
  10. Seria bom definir
    o que se entende por chato:
    há quem chame caricato
    ao que não pode atingir!

    JCN

    ResponderEliminar
  11. Para HR:

    Pode crer vossemecê
    que um elogio me fez
    na atitude descortês
    que assume quando me lê!

    JCN

    ResponderEliminar
  12. Diariamente me vejo
    ao espelho em que me fio:
    deste modo me cotejo
    e meu talento avalio!

    JCN

    ResponderEliminar
  13. Há quem me tenha na conta
    do maior poeta vivo:
    isso não seja motivo
    para vos tomar de ponta!

    JCN

    ResponderEliminar
  14. Cada vez que Deus deseja
    castigar um ser humano
    faz-lhe nascer no tutano
    o sentimento da inveja!

    JCN

    ResponderEliminar
  15. A riminha é muito lindinha, mas continua a ser chato. Apesar de tudo parece feliz, continue, JCN, deus é grande e as suas linhas enchem o blogue, até dão a sensação de actividade de troca de ideias, apesar de os seus versinhos serem redundantes: é você um papagaio a treinar a arte de versejar? Já faria algum sentido
    HR

    ResponderEliminar
  16. Quem não tem capacidade
    para sentir poesia
    apenas doz tontaria
    na sua boçalidade!

    JCN

    ResponderEliminar
  17. "Pseudo-versos", senhor!
    é coisa 1ue não existe:
    todo o langará consiste
    em constatar seu teor!

    JCN

    ResponderEliminar
  18. Senhores Administradores do "De rerum natura":

    Espero me reconheçam o direito de resposta à maneira descortês como chocarreiramento se me dirigiu, neste mesmo blogue, o senhor HR.

    João de Castro Nunes

    ResponderEliminar
  19. Repito, em letras capitais:

    EM QUE FICAMOS?...

    JCN

    ResponderEliminar
  20. Com o "apito" metido na gaveta, assim termina este desaquisado conforme começou: estupidamente! JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.