sábado, 27 de maio de 2023

POETA DA ÁGUA

À memória de Glória de Sant’Anna 
Bela poetisa, que viveu no norte de Moçambique, 
face à esplendorosa baía de Pemba


Eras discreta e boa ouvinte,
sabias ouvir a dor e o mar.
Era com um sossegado requinte,
que tu conseguias auscultar.

Eras curiosamente daltónica,
não distinguias o branco do preto.
Tua arte era suave, mas tónica,
dando ânimo aos que estavam num gueto.

O silêncio azul da tua água
continha em si vozes bem profundas,
capazes de acolher tanta mágoa!

Com tua água transparente,
afundas tanto ódio e tanto preconceito,
deixando o malfeitor desafeito!

Eugénio Lisboa

Sem comentários:

O CALAMITOSO ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA...

O estado de muitos sistemas educativos públicos europeus - fico-me pela Europa - é nada menos do que calamitoso: currículos a cada reforma m...