domingo, 10 de maio de 2015

ANTÓNIO COSTA E AS NOVAS OPORTUNIDADES


“A miséria subsiste. Como outrora. Eliminá-la completamente, não podes. Mas vais torná-la invisível” (Theodor Adorno, 1903-1969).
Em recente aparição pública, António Costa anunciou a intenção do Partido Socialista, na hipótese de ganhar as próximas eleições legislativas, ressuscitar as Novas Oportunidades.
Esta intenção deve merecer um novo, muito necessário e animado debate público sobre as Novas Oportunidades . Segundo Séneca, “viver significa lutar”. Lutar contra o facilitismo, o oportunismo, o laxismo que tomou conta do sistema educativo português por se tratar de um assunto em que se poderá vir a jogar novamente  (numa espécie de roleta russa) o nível cultural de um povo. E de que se anuncia um salutífero ressurgimento!
Vivia-se, então, um tempo de um país a duas velocidades na aquisição de diplomas escolares. Uns, os alunos do chamado ensino regular, viajavam em comboios ronceiros, por vezes, com paragens/reprovações em vários apeadeiros. Outros, os das Novas Oportunidades, na comodidade de um TGV que os transportava à velocidade de um raio, rumo a diplomas do ensino secundário e mesmo superior, com um escandaloso facilitismo.
Claro que com isto não estou contra oportunidades para aqueles que, por motivos vários, se viram obrigados a abandonar o ensino regular e desejam cumprir essa etapa de uma forma séria. Ou seja, desde que a forma de obtenção desses diplomas se não torne num prémio para videirinhos que, decididamente, não querem estudar. E, ipso facto, exigindo direitos sem cumprir deveres.
Mas, porque “os factos são sagrados e os comentários são  livres” (máxima do jornalismo), cinjo-me a uma intervenção escrita de Santana Castilho ( Público, 25/05/2011)  que bem documenta a “exigência certificante” de uma dissertação do ensino secundário neste elucidativo naco de prosa, que se transcreve  ipsis verbis:
“Como já se disse anteriormente tenho um filho e uma filha, em que ele è mais velho cinco anos…Ando sempre a fazer-lhes ver as coizas, até já lhe tenho dito se tiver a inflicidade de falecer novo paça a ser ele o homem da casa e tomar conta da mãe e mana, mas para ele é difícil de compreender as situações e acaba por me dar razão e por vezes até me pede desculpa e que para a procima já não comete os mesmos erros. Ele tem o espaço dele com a mãe em que não me intrumeto, desde mimos e converças porque graças a Deus nem eu nem ele temos siumes um do outro com a mãe…”


Não será que com todos estes facilitismos, que impendem  sobre o sistema educativo , se estará  a dar mais que razão a um famoso ministro socialista do IX Governo Constitucional? Refiro-me ao falecido Francisco Sousa Tavares e à sentença por si proferida com o desassombro que caracterizava a sua personalidade: “Estamos a formar não um país de analfabetos, como até aqui, mas um país de burros diplomados!” 

Ou seja, se o Partido Socialista ganhar as próximas eleições, a miséria das Novas Oportunidades ressurgirá. E António Costa, em época pré-eleitoral, nem sequer se dá ao trabalho em torná-la invisível. Anuncia-a urbi et orbi!


Adenda: O cartoon acima, publicado no Diário de Lisboa (30/05/1925), foi reproduzido neste blogue, em 28.Outubro.2010,  enviado pelo meu ilustre Colega João Boaventura, falecido tempos atrás. Da respectiva lavra, foram aqui publicados vários e valiosos textos críticos sobre o sistema educativo nacional.


4 comentários:

  1. Professor Rui Batista, porque gosto de lobos maus, fiz este para si:

    No comboio ronceiro

    No comboio ronceiro,
    A passo de caracol,
    Senta-se o mundo inteiro
    Sob um tremendo sol.

    Viaja o pai, viaja a mãe,
    Irmãos, tios e avós,
    O padre, o ateu também,
    Os amigos e os que estão sós...

    Viaja a filha e o filho,
    Os animais de estimação,
    Todos pelo mesmo trilho
    Sem paragem, nem estação.

    Quando trepa p’la subida
    Perde tempo, o motor.
    Mas o comboio puxa a vida
    Seja com que força for!

    Quando desce é empurrado
    Por demónios e por santos,
    O comboio mal amado
    Cheio de risos e prantos.

    É neste que vou, ainda,
    Já desço lenta, anoitece...
    O bilhete é só de ida
    De volta, não me apetece.

    E assim passa a paisagem,
    Igual sempre que a mudo.
    Para que serve a viagem?
    Para a fazer, e é tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hora ditosa em que escrevi este meu post pela retribuição dos versos que me enviou. Bem haja!

      Eliminar
  2. Creio que o cartoon terá sido publicado no Diário de Lisboa de 30 de abril de 1925. Fonte: Lívia Coito, Ana Martins e João Cardoso, José Leite de Vasconcelos - Fotobiografia, Verbo, 2008, p. 214.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezado comentador: Só hoje tomei conhecimento da sua rectificação que muito agradeço. Errar é humano, persistir no erro é teimosia...asinina!

      Eliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.