quinta-feira, 11 de outubro de 2018

DE NOVO AS FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DOS ALUNOS!

Desde há muitos anos que no início do ano lectivo se dão a preencher aos alunos uns inquéritos/ questionários/ fichas de caracterização "sociodemográfica" que, além de serem intrusivos no seu espaço privado, recolhem dados nada fiáveis e sem qualquer interesse para ensinar, criando, além disso, ideias preconcebidas junto de quem tem acesso às informações (ver aquiaquiaqui).

Não obstante, o seu uso é aceite e reiterado, ainda que alheio a princípios éticos, pedagógicos e, até, de bom-senso.

Hoje foi notícia não a prática em si mas perguntas constantes numa ficha destinada a alunos do ensino básico, que terá sido concebida e usada por uma escola.

Três delas provocaram escândalo sobretudo em pais (que denunciaram a situação na internet) e representantes de partidos políticos: qual o sexo com que os alunos se identificam, se namoram ou já namoraram, e por qual dos sexos (ou ambos) se sentem atraídos.

A ser verdade, não são perguntas que se façam a ninguém, muito menos a crianças e muito menos na escola, contexto educativo por excelência. Não pelo seu carácter sexual mas pelas razões que acima invoquei.

Tão graves como essas perguntas são as que se seguem sobre o encarregado de educação (que está ausente na situação e que já antes facultou informações na ficha de matrícula...) e as que deduzo que se seguem a estas.

O que, efectivamente, se deveria discutir, se é que há alguma coisa a discutir, é a persistência destas fichas. A sua eliminação não é só necessária como urgente.

2 comentários:

  1. A escola atual há lugar para todos e para tudo, desde que os professores ensinem quase nada e os alunos aprendam quase tudo!
    No caso vertente da caraterização dos alunos, é preciso não esquecer que eu, enquanto professor do ensino básico e secundário, sou legalmente obrigado a apresentar, no início de cada ano letivo, na Direção da escola, um registo criminal limpo no que se refere a práticas pedófilas. Ora, fazer perguntas de cariz íntimo e sexual a crianças de 9 anos não será praticar pedofilia?!
    Haja bom senso, ou as escolas EB 2,3 não terão futuro melhor do que as escolas C + S!

    ResponderEliminar
  2. Bullying e montra de tralha13 de outubro de 2018 às 14:00

    As escolas só têm futuro porque se tornaram armazéns de gente com as mais diversas finalidades. Pouco tem a ver com Educação.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.