domingo, 29 de outubro de 2017

Controlo biométrico para todos!

Revi ontem, num mercado, como vendedora de hortaliças, uma pessoa a quem tinha perdido o rasto. Funcionária pública, era exemplar no atendimento. A passagem do tempo num serviço rotineiro, num espaço desengraçado não mudava a sua energia e empenho.

"Saí - disse-me - quando se começou a falar em picar o ponto. Aquilo não era para mim." E agora? "Fiquei com as terrazitas da família. Vai dando para viver e ninguém me controla". Era a mesma jovem que conheci vai para quinze anos.

Ontem ouvi a notícia de que no Serviço Nacional de Saúde vai ser obrigatório, já a partir de 1 de Janeiro do próximo ano, o controlo biométrico dos funcionários. Saiu um despacho governamental nesta semana que assim o determina. O pretexto é... a transparência. Que palavra mais estafada! E sem sentido!

O controlo estende-se a todos os trabalhadores. Mas pode acontecer que os melhores, os mais capazes, os mais devotados às suas tarefas, aqueles que querem preservar valores como a responsabilidade, a confiança e a dignidade façam o mesmo que a minha vendedora de hortaliças.

2 comentários:

  1. E por que não?, controlo para todos, na função pública?!
    "O controlo estende-se a todos os trabalhadores. Mas pode acontecer que os melhores, os mais capazes, os mais devotados às suas tarefas, aqueles que querem preservar valores como a responsabilidade, a confiança e a dignidade façam o mesmo que a minha vendedora de hortaliças."
    Ninguém deve ser controlado? Uns devem ser controlados, outros (os "talentosos", os "criativos" e os "eficientes"), não?!
    "Os melhores, os mais capazes, os mais devotados às suas tarefas" não devem ser controlados? E quem são eles?, como descortiná-los, reconhecê-los, discriminá-los (positivamente) "ab initium"?
    A norma (!), dos que procuram a função pública, é a mediania, a mediocridade!
    Aplausos para a "nova" vendedora de hortaliça!

    ResponderEliminar
  2. Lá porque (o ilustre Anónimo) viu umas cinco ou seis árvores decadentes, parte daí para - generalizando - classificar toda a ampla floresta, mesmo as árvores que nunca viu?
    Guilherme de Almeida

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.