sábado, 30 de maio de 2015

Ana Luísa Amaral: E Todavia


 
 
 
 
 
 
 
 
Da Comum Claridade

Há um saber qualquer
que há-de ser semelhante ao das estrelas
no seu fino fio ausente a colisão:
é quando as coisas se complicam, ou se abrem,
ou muito simplesmente
se incendeiam.


Estará decerto no amar esse saber,
e por isso talvez do coração
diziam os antigos ser o meio,
o centro do pensar.


Talvez assim também
entre a cor da paisagem
e o recordar de cor
um rosto, uma janela quase circular,
um levíssimo gesto antecipado,
pode haver o mais óbvio
comum a universo:
explosão de estrela nova gerando
outras estrelas, ou mesmo
revogando a antiga luz.
 
 
Mas em tal comprimento de energia
que o átomo que foi,
desconcertado,
de encontro ao mais vazio,
tenta reconcertar outro
caminho


de onde: novo saber,
um brilho novo,
transversal a tudo.

 
Quanto ao humano,
sublunar na sua imperfeição,
cinde-o a maravilha do cuidar,
e só lhe resta: amar –
o que perfaz em soma,
igual ao fogo de que é feito
a estrela –
 

2 comentários:

  1. Estive no lançamento do livro no Porto e referi-o também no meu blogue.
    Parabéns pela escolha do poema.
    Regina Gouveia

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.