domingo, 29 de setembro de 2013

Grandes conflitos da história da Europa

Um pouco por todo o mundo, os sistemas educativos, preocupados em demonstrar a sua eficácia em programas de avaliação internacional, reforçam progressivamente o ensino de disciplinas que dizem ser fundamentais, estruturantes, tendendo a relegar para segundo plano as áreas de saber que não são objecto dessa a avaliação.

A História está entre estas últimas. Sem relação directa com as preocupações sócio-económicas dominantes, sem parecer contribuir para a aquisição de competências úteis, como sejam, por exemplo, as de empreendedorismo, vê reduzir-se a sua importância educativa, bem patente na restrição de conteúdo e de tempo curricular.

João Gouveia Monteiro, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, consciente desta circunstância, explica, em entrevista, o papel que o saber histórico tem na compreensão do presente e na construção do futuro:

video

Conforme o leitor percebeu, esta entrevista foi feita, no passado ano, na sequência da apresentação da obra: "Grandes Conflitos da História da Europa, de Alexandre Magno a Guilherme, O Conquistador", editada pela Imprensa da Universidade de Coimbra.

Trata-se de uma "obra que nos propõe uma viagem por cinco momentos decisivos da história do Velho Continente, ao longo de catorze séculos. A batalha de Gaugamela, travada entre Alexandre Magno (o mais brilhante general do Ocidente antigo) e Dario III (“Grande Rei” da Pérsia), em 331 a. C. A batalha de Canas, a mais pesada derrota da história do Império Romano, ferida em 216 a. C., no sul de Itália, no âmbito da guerra pelo domínio do Mediterrâneo que opunha Roma a Cartago (liderada pelo lendário comandante Aníbal Barca). A batalha de Adrianopla, que teve lugar na atual Turquia, em 378 d. C., entre o imperador romano do Oriente e uma coligação de povos bárbaros, anunciando o inevitável advento de uma nova Europa. A batalha de Poitiers, ocorrida na Gália, em 732 d. C., e em que Carlos Martel (avô de Carlos Magno) venceu o exército do governador árabe do al-Andalus e frustrou as ambições muçulmanas de domínio da Gália. E a batalha de Hastings, travada em 1066, no sul de Inglaterra, o combate mais espetacular da Idade Média e em que o duque da Normandia, Guilherme, matou o rei anglo-saxónico, Haroldo II Godwinson, provocando uma viragem no destino das duas maiores potências europeias de então. Trata-se de um livro cuidadosamente ilustrado, que se dirige a um público muito amplo e onde a história política e a história militar se iluminam mutuamente. A obra, evocativa de grandes figuras da história antiga e medieval europeias, é sustentada por uma leitura cuidadosa das melhores fontes escritas e iconográficas à disposição do historiador (como Arriano, Políbio, Marcelino, a Crónica de 754, Guilherme de Poitiers ou a fabulosa Tapeçaria de Bayeux, entre outras)."

3 comentários:

  1. A história como a filosofia são saberes que estruturam a mente. Aprendê-las distancia-nos da notícia efémera. E parece-me tão de relevo esta importância que dispensa possíveis adequações do passado ao presente. É uma questão de cultura geral. Ponto. De mais cultura e menos notícia. De sermos, enfim, homens com mente humana. Coisa que se vai perdendo no horizonte florestal do empreendedorismo

    ResponderEliminar
  2. Tem razão, caro leitor Anónino, quando destaca o "valor em si" do conhecimento, e que, exactamente por ter esse valor, deve (tem de) ser ensinado. Há muito que deixámos de lhes prestar atenção e que tentamos exclui-lo da escola.
    Mas tal valor não nega o "valor instrumentar" que o conhecimento também tem e que se traduz em desenvolver, como diz, a mente humana.
    Cumprimentos,
    MHD

    ResponderEliminar
  3. É. Penso até que estaremos em concordância. Mas, ao ouvir o vídeo, deu-me um pouco a impressão de que existe nele um certo desejo de, por exemplo as guerras púnicas, tão distantes de nós, poderem servir-nos hoje. Mas, a lição é cada um a tomá-la, tem uma carga não totalmente objectiva; enquanto a estruturação da mente serve todos que aprendam história.
    O que quis dizer é que o ensino da História é por demais importante e dispensa a demonstração de "utilidade", na aproximação que tem com o presente.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.