sexta-feira, 20 de junho de 2008

GRANDES ERROS: FAZER PIPOCAS COM TELEMÓVEIS



Têm circulado pela Internet, com milhões de pessoas a ver, alguns vídeos como este que pretendem fazer crer que se pode fazer pipocas com telemóveis. Não pode porque é fisicamente impossível! Aliás, basta fazer a experiência: num jornal fizeram a experiência com todos os telemóveis da redacção e nem uma pipoca saltou. Não é apenas uma questão de falta de potência das microondas, é também o facto de as frequências das ondas usadas nas comunicações não serem as mesmas que as que servem para excitar moléculas de água num forno. Se a radiação dos telemóveis tivesse esse efeito nem sequer poderíamos agarrar neles. O físico norte-americano Louis Bloomfield, autor do best-seller "How Everything Works" sobre o funcionamento de aparelhos comuns, disse isto mesmo à revista "Wired" (aqui).

Qual é então o truque? Pode ser edição do vídeo ou, mais provável, a colocação de uma fonte de aquecimento debaixo da mesa. Vídeos deste tipo colocados no YouTube ao mesmo tempo por poucos utilizadores (anónimos) têm normalmente por trás uma campanha de publicidade. É também este o caso. Já se sabe que foi a companhia Cardosystems, que vende equipamentos de "bluetooth", a responsável pela campanha, pois ela própria o reconheceu (aqui). Dado o número de pessoas que acreditaram nesta patranha, eu diria que a empresa não foi responsável: foi completamente irresponsável!

3 comentários:

  1. Além de que se fosse verdade, entre um dispositivo bluetooth, menos poderoso é certo, mas enfiado num ouvido, não sei o que preferia.

    ResponderEliminar
  2. Puxa , final/te entendo q se passava aqui em casa outro dia, pois a turminha aqui queria alguns milhos de pipoca e alguns celulares!! :-)

    ResponderEliminar
  3. eu só não percebo o porquê de considerar a empresa "completamente irresponsável".

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.