sábado, 28 de setembro de 2019

A educação para tornar A NOSSA ECONOMIA competitiva

Declarando a necessidade de "tornar o mundo melhor", a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou, neste século, duas Agendas (do “Horizonte 2020” e do “Horizonte 2030”). Em ambas vê-se destacada a educação como meio para se chegar a esse fim.

Na primeira Agenda a educação foi declarada como “o motor da nova economia global". A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e a União Europeia (UE), entre outras organizações internacionais, fizeram eco destas palavras, elaborando "uma visão para a educação" e, em sequência, recomendaram uma reorientação/revisão/reformulação profunda dos currículos escolares capaz de cumprir tal desígnio. Foi o que aconteceu: políticos, empresários, académicos e educadores, entre outros "agentes/parceiros educativos", os países apressaram-se a cumprir, "à letra", o recomendado.

Ainda assim, algumas vozes - que se esvaem na gritaria entusiástica desencadeada por essa Agenda - têm persistido na ideia de que a educação escolar não se destina a formar capital humano, produtores-consumidores. 

Seja por essa ou por outra razão, a segunda Agenda redireccionou o seu discurso: é preciso criar "uma nova visão para a educação”, diz a ONU. O “crescimento económico” deve dar ao “crescimento inclusivo”, cujo foco são “as pessoas, o planeta e a prosperidade”. Isto implica, já se vê, uma nova reorientação/revisão/reformulação dos currículos escolares que os "agentes/parceiros" aplaudem e que os países cumprem.

Quanto mais aprofundo o estudo destas Agendas mais me convenço que a primeira e a segunda são uma só: o “crescimento económico” e o “crescimento inclusivo” revelam-se cara e coroa da mesma moeda. Nada mudou ao nível das políticas globais para a educação. A dúvida adensa-se quando leio declarações como as que, recentemente, fez o nosso Comissário Europeu da Educação, Cultura, Juventude e Desporto. Referindo-se ao inquérito da OCDE designado por "Monitor da Educação e da Formação", o seu texto começa assim:
"A educação regressou ao topo das prioridades políticas da União Europeia. E com razão: a educação é fundamental para que a nossa economia continue a ser competitiva, e tem uma importância crítica na construção de uma sociedade coesa e justa.  
(continuação aqui):

Sem comentários:

Publicar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.