sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

AS "CHRISTMAS LECTURES"


As "Christmas Lectures", conferências de divulgação da ciência realizadas em Londres sempre por altura do Natal, são uma tradição anual especialmente dedicada a crianças e jovens que remonta a 1825 (só interrompida durante a Segunda Guerra Mundial). Realizam-se ao vivo, na Royal Institution, mas agora há gravações para ver na televisão (durante muitos anos foi na BBC, mas agora tem passado em canais privados) e até na Internet. Podem ver-se no "You Tube" conferências famosas dadas por nomes famosos como Carl Sagan e Richard Dawkins.

Foi Michael Faraday (1791-1867), um dos "monstros sagrados" daquela Instituição, quem criou essa série de conferências. Ele próprio protagonizou ele próprio algumas das "Christmas Lectures" mais famosas, como por exemplo em 1860 "A história química de uma vela" (que depois foi um dos textos de divulgação da ciência mais famoso do século XIX) . Como estamos em época natalícia, transcrevo o início da primeira conferência sobre a química da vela:

"Proponho apresentar-lhes, no decorrer destas conferências, a história química de uma vela. Farei isto como uma retribuição à honra que os senhores me deram vindo aqui para ver como são as nossas formas de actuação. Analisei este assunto noutra ocasião e, se fosse pelo meu desejo, preferiria repeti-lo quase cada ano, tão grande é o interesse que desperta e tão grandes são as variedades de resultados que ele oferece aos vários domínios da filosofia. Não existe lei pela qual seja regida qualquer parte deste Universo que não entre em acção e não seja abordada nestes fenómenos. Não há porta melhor nem mais aberta para que os senhores possam iniciar o estudo da filosofia natural do que o exame dos fenómenos físicos de uma vela. Espero, portanto, não os desapontar ao escolher este assunto como meu tema e não um novo tópico, que não poderia ser melhor do que ele, embora pudesse até igualá-lo.

Antes de prosseguir, deixem-me dizer algo mais: apesar do nosso assunto ser tão vasto, e de ser nossa intenção tratá-lo honesta, séria e filosoficamente, não pretendo, no entanto, preocupar-me com aqueles entre os senhores que já são adultos. Quero o privilégio de poder falar para jovens e da forma como um jovem faz. Tenho feito isso noutras ocasiões e, se permitirem, vou fazê-lo novamente. Apesar do facto de eu aparecer aqui como quem tem o conhecimento das palavras que devem ser oferecidas ao mundo, isso não me deve impedir de falar de modo coloquial com aqueles que pretendo que estejam mais próximos de mim nesta ocasião."

-Michael Faraday, "A história química de uma vela. As forças da matéria", com uma introdução de James Clerk Maxwell, com ilustrações originais do autor da edição inglesa de 1861, tradução de Vera Ribeiro com revisão técnica de Ildeu de Castro Moreira, ligeiramente revista para a adaptar ao português europeu). O texto original, em inglês, encontra-se aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.