domingo, 6 de abril de 2008

VEM AÍ O FIM DO MUNDO?


Minha crónica do "Sol" de ontem:

Sempre houve profetas da desgraça. Não admira por isso que hoje, quando ao fim de 14 anos de intenso trabalho vai entrar em funcionamento o maior acelerador de partículas do mundo – o Large Hadron Collider - na Organização Europeia para a Investigação Nuclear, CERN, em Genebra, na Suíça, surjam profetas da desgraça. E a desgraça desta vez não podia ser maior: eles prevêem o fim do mundo!

O instrumento, que está montado um grande túnel (com 27 km de perímetro), irá acelerar protões e outros núcleos atómicos para estudar os resultados de colisões a altas energias. Planeado de início para descobrir uma nova partícula que a teoria prevê, é bem possível, se descobrir outras partículas, que sirva para elucidar alguns dos maiores mistérios da física actual, nomeadamente o da “matéria negra” do Universo, uma matéria que exerce força gravitacional mas não emite luz. Os físicos estão à espera de ser surpreendidos.

Foram desde já surpreendidos com um processo judicial. Um ex-físico nuclear e também jurista americano acaba de entregar num tribunal do Hawai um processo contra o CERN e várias organizações americanas que nele participam, com base na sua previsão de formação de um buraco negro nos choques a altas energias. Como é que uma organização internacional situada na Suíça, à qual Portugal aliás pertence, pode ser interpelada por um tribunal federal americano? Não pode, mas o fim do envolvimento americano seria um rude golpe no novo acelerador. O juiz pode, porém, dizer que, se os receios do profeta fossem justificados, tanto faz ser europeu como americano: o tal buraco negro engoliria a Terra toda. Haverá, de facto, razões para ter medo?

Não. A notícia do juízo final é francamente exagerada. O CERN já elaborou vários estudos de segurança e está a completar um outro. Um especialista esclareceu que as experiências planeadas no CERN, que irá recriar uma fase do Big Bang, não são muito diferentes das colisões que ocorrem todos os dias na alta atmosfera quando alguns raios cósmicos chegam até nós. E estamos vivos...

16 comentários:

  1. Prof. Carlos Fiolhais

    Concordo consigo. Não vamos ter problemas. O ruído mais excêntrico que vamos ouvir é o plof! das garrafas de champagne a saltar ao ser comemorado o resultado da experiência. Talvez o acidente mais grave seja a cabeça de um físico mais distraído com um galinho se a rolha da garrafa lhe acertar ao fazer ricochete na parede ou no tecto.

    E não tenho dúvidas que os resultados vão ser muito bons. Imagine o que seria se as fortunas enterradas debaixo de terra não dessem resultados nenhuns. Seria um escândalo.

    Quanto ao físico nuclear americano não se preocupe, Prof.. É um excêntrico, ainda leva a sério a teoria de que o CERN vai reproduzir o Big Bang. Mas podemos ficar descansados. Como o Prof. muito bem diz vamos ter só um pequeno estalido, tipo joelhos com a cartilagem destruída, nada que provoque os protestos das agências ambientalistas.

    Bom Domingo e um abraço deste seu leitor que o admira. Obrigado pelos esclarecimentos, o que escreveu é serviço público.

    ResponderEliminar
  2. Estranho será se não encontrarem a dita partícula. Afinal, os dados da física de partículas são tão pouco objectivos que até elfos conseguiriam encontrar, se a teoria (Qual? a Standard? ahahah, já ninguém a leva a sério) o previsse. A verdade é esta: a troco de pretensas partículas e fases do Big Bang (!) o CERN lá garantiu mais uns fundos e mais umas carreira. É a Big Science, meus senhores. Um autentico buraco negro de fundos (mais do que é utilizado para, por exemplo, a investigação para a Cura do Cancro). Vigarisses matam a ciência por dentro.

    ResponderEliminar
  3. não se vai passar nada: estes dois loucos também já tentaram processos semelhantes contra o fermilab e o rhic sem qualquer sucesso. só querem propaganda... e estão a tê-la!

    ResponderEliminar
  4. Pois, deve ser,

    Claro, está tudo errado por isso é que está a escrever no seu computador que em nada de nadinha recorre à física de partículas nem a bomba atómica é uma realidade, etc. etc.

    Santa paciência para tanta ignorância.

    Volte à escola (mas a física de partículas não é para todos – demasiada razão - e com esse gralhar... hummmm deixe-se estar a ver TV)

    ResponderEliminar
  5. É bom saber que quem defende as "partículas-CERN" não sabe que, tanto a tal "Bomba atómica" (qual delas?) como a electrónica, nada dependem do chamado modelo Standard. Triste é notar que são precisamente tolos como estes que toma a decisão, meramente política, de gastar mais dinheiro em "fases do Big Bang" do que em qualquer outra investigação científica.

    ResponderEliminar
  6. Tendo deixado o CERN em finais de 2006 depois de bons 4 anos de trabalho de alto nível na montagem, alinhamento e posicionamento dos detectores ATLAS, CMS, ALICE e LHCb nas respectivas cavernas, é com prazer que o vejo iniciar as funções para que foi projectado e construído. Parabéns CERN!

    ResponderEliminar
  7. Eu percebo muito pouco de física, mas escrevi, como amador, sobre o tal processo no passado dia 3. A posta chama-se "havaianas"

    ResponderEliminar
  8. "recriar as condições e energias verificadas um bilionésimo de segundo após o Big Bang", lino?! Sermos todos transformados em pó das estrelas?!

    Meu Deus, se isto fosse verdade até eu processava o CERN. Ainda quero ver o Benfica campeão!

    ResponderEliminar
  9. Diz que disse,

    Eu também acho que investir dinheiro em conhecimento é um desperdício. Mas pela prosa voçê é um homem com tanto ou mais conhecimento que os que pertencem a projectos do CERN!

    "Shame on you!"

    Devia criar um fundo com o dinheiro que gastou na sua educação para curar as criancinhas com cancro coitadas!

    Nem mais um tostão gasto seja no que fôr enquanto não houver cura para o cancro!

    ResponderEliminar
  10. António Parente,
    aconselho o livro "O Primeiro Segundo" de Hubert Reeves.
    Para quem, como nós, que não percebe nada de física de partículas ajuda a perceber o que se procura no CERN apesar de estar desactualizado.

    Mas talvez queira doar o dinheiro a uma fundação que combata o cancro em vez de gastar esse dinheiro em conhecimento.

    Cumprimentos.

    ("Comigo não será construído nenhum aeroporto internacional enquanto houver crianças que esperam anos para ser operadas"
    Já percebo que esse discurso resulta ó Durão Burroso!)

    ResponderEliminar
  11. Diz que disse,

    que tolos? Os que pensam que a explicação Bíblica para a origem não é lá muito convincente?

    E o que poderá ter o electromagnetismo e a fusão nuclear a ver com o que se vai estudar no CERN?!
    Se sabe tanto diga-nos lá como pensamos que as estrelas transformam o hidrogenio em helio e este em carbono mas descreva também as diferentes particulas de matéria e de força que se pensa serem geradas nas diferentes fases. E o que isso tem a ver com o Modelo Sandard? Nada? Tá boa...

    E o tolo é o anónimo!

    ResponderEliminar
  12. Para mim seria mais fácil acreditar em ovnis que na criação de um buraco negro através do acelerador de partículas.
    afinal, o buraco negro supostamente cria-se com quantidades colossais de matéria através da sua gravidade e nunca com meia dúzia de partículas, mas enfim...
    Julgo que o máximo que poderá acontecer é chegarem à conclusão que afinal existem muito mais partículas fundamentais do que aquelas que se poderia prever à partida, mas isso é uma coisa muito diferente.
    Cumprimentos a todos,
    Artur de Oliveira.

    ResponderEliminar
  13. Tucas,

    a criação de um buraco negro não depende apenas de muita matéria depende de determinada quantidade de matéria "esmagada" num determinado volume. Normalmente a gravidade numa estrela gigante em fim de vida cria essas condições mas não é a única hipótese teórica. Se "esmagar" dois protões num volume minúsculo pode criar um buraco negro minúsculo (com a massa de dois protões por isso não vai engolir nada).

    Se esmagar o Sol num volume de 3 km de raio tem um buraco negro.

    Se esmagar a Terra num volume de 1 centímetro de raio tem um buraco negro.

    Se esmagar um homem num volume de 1x10 levantado a -25 metros de raio tem um buraco negro com massa de 80 quilos.


    Se esmagar dois protões num volume de (a calculadora do meu Windows não consegue fazer as contas) raio tem um buraco negro com massa de dois protões

    O raio de um buraco negro é chamado de raio de Schwarzschild e é dado por

    Rs=2GM/c2

    onde
    Rs é o raio do horizonte de eventos a partir do qual nada sai nem a luz
    G é a constante gravitacional (não confundir com a aceleração da gravidade terrestre)
    M é a massa (quantidade de matéria) do corpo
    C2 é a velocidade da luz ao quadrado (velocidade da luz vezes a velocidade da luz)


    Para quem estiver interessado em mais informação aconselho este vídeo (tem 86 minutos mas vale bem a pena):

    http://br.youtube.com/watch?v=tcAdvxUPxNM

    ResponderEliminar
  14. Estive no open day do CERN e apenas ouvi uma pergunta relacionada com o fim do mundo devido à experiência e mesmo assim feita (e respondida) de forma ponderada e calma.

    2 dias bem passados embora com gafes sistemáticas e inaceitaveis a nível dos posters que acompanhavam as experiências.

    ResponderEliminar
  15. isto vai dar M€RD@, depois vão vir com a treta da história ''era para o bem da humanidade''

    andam a brincar com o fogo,está certo que as probabilidades de se abrir um buraco negro são ainda mais baixas que tirar o euromilhões, mas, existe, e se acontece, para quem é entendido sabe que um buraco negro seja do tamanho que for desenvolve-se e come tudo o que está à sua volta. oxalá que a energia europeia não tivesse potencia suficiente para alimentar esta desgraça, depois tinham de fazer uma base nuclear, e aí, as pessoas já vão olhar mais sérias para o assunto, tal como em chernobil, mania que têm de ver para crer, ha-de sair caro algum dia

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.