quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Futuro de Portugal está na relação "de confiança" entre empresários e cientistas

Transcrevo notícia do jornal I de 22/11, baseado num despacho da Lusa: 

"Para o físico, "o futuro está, hoje, nos laboratórios de investigação", pelo que Portugal "terá futuro", se conseguir "reconhecer o valor da ciência e ligá-la mais à economia", às empresas

O físico Carlos Fiolhais defendeu que o futuro de Portugal está na relação "de confiança" entre cientistas e empresários, alertando que faltam no país investigadores a trabalhar nas empresas, a produzir riqueza a partir da inovação.

Em declarações à agência Lusa, o docente universitário assinalou que "há alguns bons exemplos de pequenas empresas formadas por cientistas", contudo, "as empresas maiores, que têm mercado", e que poderiam tirar Portugal da crise "não têm setores de investigação e desenvolvimento".

Carlos Fiolhais participa hoje, no Porto, na conferência "Ciência, Economia e Crise", enquanto coordenador do Programa de Educação e Ciência da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que promove o encontro entre cientistas, economistas e empresários.

Segundo o docente, Portugal tem "uma débil relação entre economia e ciência", não obstante a ciência se ter "desenvolvido nos últimos 20 a 30 anos". O cientista realçou que "a maior parte dos investigadores está nas universidades e não nas empresas", contrariamente ao que se passa nos países desenvolvidos, onde "as grandes multinacionais têm laboratórios que fazem a investigação que lhes interessa e contratam cientistas".

Para o físico, "o futuro está, hoje, nos laboratórios de investigação", pelo que Portugal "terá futuro", se conseguir "reconhecer o valor da ciência e ligá-la mais à economia", às empresas. "Sem esta relação, não vamos conseguir nunca sair da presente situação", sustentou, vincando que "a riqueza" de Portugal está nos cientistas, que, no entanto, "estão a emigrar", por falta de colocação nas universidades ou oportunidades para trabalhar e criar empresas.

Para Carlos Fiolhais, o país não tem "conhecimento mais avançado nas empresas", uma vez que o desenvolvimento científico é recente e "o tecido económico está muito fragmentado", com "muitas pequenas empresas" geridas por pessoas "sem formação superior elevada".

O coordenador dos Programas de Educação e Ciência da Fundação Francisco Manuel dos Santos entende que, se houver "mais confiança entre cientistas e empresários", é possível "mudar melhor" a "estrutura que produz valor, riqueza" no país.

Na conferência participam, ainda, entre outros, Daniel Bessa, ex-ministro da Economia, Manuel Sobrinho Simões, presidente do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto, Luís Portela, que dirigiu a farmacêutica Bial, e Pedro Echenique, presidente do júri do Prémio Príncipe das Astúrias das Ciências. O encerramento do encontro, que decorre na reitoria da Universidade do Porto, está a cargo do sociólogo António Barreto, que preside à Fundação Francisco Manuel dos Santos."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.