terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Questões climáticas na presidência Trump


No próximo dia 26 de Janeiro de 2017, pelas 18h00, no RÓMULO – Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, sito no piso 0 do Departamento de Física da FCTUC, Filipe Duarte Santos vem conversar sobre as “Questões climáticas na presidência Trump”.

Nesta sessão, o físico Filipe Duarte Santos abordará  a ciência das alterações climáticas, o movimento dos negacionistas, a chamada “pós-verdade” associada ao Presidente Donald Trump, a luta entre a indústria dos combustíveis fósseis e os partidários da transição energética, o Acordo de Paris e o o futuro do clima da Terra. Num tempo de mudança da política mundial serão discutidos os problemas ambientais que nos afectam a todos. Haverá diálogo com a audiência.

Filipe Duarte Santos é licenciado em Geofísica pela Universidade de Lisboa, doutorado em Física Nuclear pela Universidade de Londres e, desde 1979, professor de Física na Universidade de Lisboa, regendo várias disciplinas nas áreas da Física, Ambiente e Alterações Globais, além de professor convidado em várias prestigiadas universidades dos Estados Unidos e Europa. Foi vice-presidente do Instituto de Meteorologia de Portugal entre 1987 e 1988, tendo posteriormente coordenado a redacção do primeiro e único Livro Branco sobre o Estado do Ambiente em Portugal, publicado em 1991. Posteriormente, em 1998, passou a integrar o Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável e entrou como membro efectivo da Academia das Ciências de Lisboa. Ao longo dos anos tem coordenado diversos projectos nacionais e internacionais nas áreas do ambiente e alterações globais, dos quais se destacam a sua acção como investigador coordenador do Projecto SIAM – Climate Change in Portugal. Scenarios, Impacts and Adaptation Measures, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (1999-2002) e responsável do projecto PORTCOAST, Centro de Geofísica da Universidade de Lisboa. É autor de vários livros, alguns dos quais publicados na Gradiva. Foi  director do Centro de Física Nuclear da Universidade de Lisboa e foi galardoado em 2008 com Prémio Universidade de Lisboa.

Carlos Fiolhais, director do RÓMULO – Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, apresentará o convidado. Convidam-se todas as pessoas interessadas em questões ambientais e, em geral, nas relações entre ciência, política e economia a assistir à sessão.

Para mais informações:

RÓMULOCentro Ciência Viva da Universidade de Coimbra 
                     Maria Manuela Serra e Silva
                     Telefone – 239 410 699
                     E-Mail – ccvromulocarvalho@gmail.com

                     Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=100002912006773

9 comentários:

  1. Filipe Duarte Santos pode ter todas as licenciaturas do mundo, mas no que respeita às alterações climáticas é um autêntico charlatão, que atribui ao CO2 todos os "fenómenos extremos", desde vagas de frio a ondas de calor, desde secas a cheias, como se fosse possível a mesma causa produzir efeitos contrários.
    É pena o Prof. Carlos Fiolhais alinhar com estas manifestações de pseudo Ciência. São pessoas como Filipe Duarte Santos que dão por bem vinda a eleição de Donald Trump.

    ResponderEliminar
  2. Sou outro anónimo, mas concordo com o anterior. Aquecimento antropogénico é uma fraude, e a única coisa certa no registo do Clima são alterações climáticas. Força Trump que estamos fartos da religião científica e dos escândalos que em nome da ciência espalham a difamação sobre o positivo que existe na ciência.

    ResponderEliminar
  3. É exactamente por causa de pessoas como os dois anónimos anteriores que o Trump é presidente, e que se quer ensinar Criacionismo como ciência.

    ResponderEliminar
  4. Já agora, os senhores não quererão mostrar as provas que têm dessas afirmações?

    ResponderEliminar
  5. Estou a ver que há pessoas que ainda não percebem ao fim deste tempo todo como é que a ciência funciona. Que pensam que podem ser como o Trump, levantar apenas o dedo e gritar "WRONG", e automaticamente está tudo provado. É curioso como as pessoas que negam a influência do homem nas alterações climáticas nunca apresentam uma ponta de prova nesse aspecto. Porque será?

    ResponderEliminar
  6. A teoria oficial do global warming é apoiada por 97% dos cientistas, à frente dos quais se encontram Al Gore, Barack Obama e o Papa Francisco. A ciência está feita e a discussão está encerrada.

    ResponderEliminar
  7. Resposta ao anónimo que deixa a pergunta "Porque será?": É simples. Você não lê nada do que se publica por esse mundo fora. Claro que não pode contar com a comunicação social portuguesa, porque esta se encontra completamente enfeudada à teoria oficial do IPCC.

    ResponderEliminar
  8. Eu até levava o anónimo que respondeu ao "Porque será?" a sério, mas por "publica por esse mundo fora", provavelmente está a falar de jornais, quando o que interessa são trabalhos científicos. Senão, fico à espera da sua alternativa ao IPCC, e que me explique exactamente o que há de tão errado com esse painel.

    ResponderEliminar
  9. Cá temos a prova daquilo que eu disse ontem: o anónimo das 11h49 tinha a oportunidade de apresentar, e... chutou para canto. Tal como se previa.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.