sexta-feira, 29 de maio de 2015

O mito da meritocracia

Sobre a importância do contexto naquilo que chamamos "sucesso". Ou sobre a importância do Estado Social e do acesso à educação, para dar uma hipótese aos menos sortudos. Ou como fizemos um percurso notável no pós-25 de Abril, que importa continuar, ao invés de arrepiar caminho.

4 comentários:

  1. Relevante, Conciso e absolutamente Objectivo: Magistral!

    Dervich

    ResponderEliminar
  2. Bom eu diria que é apenas maniqueísta.
    O importante é dar espaço e condições para cada um ser aquilo que pretende, seguindo a busca da sua felicidade.

    ResponderEliminar
  3. Não consigo perceber se a banda desenhada caricaturando os dois extremos (o que é sempre muito simplista) pretende ilustrar a nossa escola pública actual ou a “escola meritocrática” (seja lá o que isso for).

    Com efeito, muitos estudos têm demonstrado que o nosso sistema de ensino público (nas últimas décadas, pelo menos) é essencialmente reprodutor das relações e das classes sociais: os cursos superiores mais exigentes e de maior prestígio e empregabilidade são frequentados essencialmente por jovens oriundos das classes médias cultas.
    Também o facto da maioria das discussões sobre ensino se centrar na questão do acesso ao ensino superior (assunto que não preocupa os muito os mais ricos e de que os mais pobres estão praticamente excluídos), indicia o seu carácter mais reprodutor do que promotor da ascensão social.

    ResponderEliminar
  4. Muito bom. Pensar que a escola publica é feita para o da esquerda não é apenas um contrasenso, é não perceber NADA acerca dos objectivos do ensino publico. O da esquerda não precisa da escola publica para nada. Quem precisa é a da direita, so que é obrigada a ver este serviço desviado em beneficio do da esquerda...

    Quantos politicos, quantos intelectuais, quantos professores conseguem poupar-se aos mais evidentes disparates quando entramos neste debate ?

    Boas

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.