domingo, 22 de fevereiro de 2009

Como se deve responder a um criacionista

Nicholas Gotelli, da Universidade de Vermont, foi convidado para um debate por David Klinghoffer, um dos apóstolos do Discovery Institute. Vale a pena ler na íntegra a resposta simplesmente brilhante de Gotelli mas deixo alguns excertos relevantes:

Your invitation is quite surprising, given the sneering coverage of my recent newspaper editorial that you yourself posted on the Discovery Institute's website.

However, this kind of two-faced dishonesty is what the scientific community has come to expect from the creationists.

Academic debate on controversial topics is fine, but those topics need to have a basis in reality. I would not invite a creationist to a debate on campus for the same reason that I would not invite an alchemist, a flat-earther, an astrologer, a psychic, or a Holocaust revisionist. These ideas have no scientific support, and that is why they have all been discarded by credible scholars. Creationism is in the same category.

Instead of spending time on public debates, why aren't members of your institute publishing their ideas in prominent peer-reviewed journals such as Science, Nature, or the Proceedings of the National Academy of Sciences? If you want to be taken seriously by scientists and scholars, this is where you need to publish. Academic publishing is an intellectual free market, where ideas that have credible empirical support are carefully and thoroughly explored. Nothing could possibly be more exciting and electrifying to biology than scientific disproof of evolutionary theory or scientific proof of the existence of a god. That would be Nobel Prize winning work, and it would be eagerly published by any of the prominent mainstream journals. (...)

So, I hope you understand why I am declining your offer. I will wait patiently to read about the work of creationists in the pages of Nature and Science. But until it appears there, it isn't science and doesn't merit an invitation.

5 comentários:

  1. Fantástica resposta. Mas conforme é dito nela mais à frente, não vale a pena o esforço, pois do outro lado não está ninguém que a ouça...
    Basta ver como do outro lado respondem logo pela via ad hominem:
    http://www.evolutionnews.org/2009/02/was_daffy_duck_unavailable.html

    Mas é uma boa resposta para animar os ânimos de quem tem de aturar isto volta e meia!

    ResponderEliminar
  2. Isto é importante para esclarecer desde logo o seguinte: o público do criacionismo é acima de tudo o povão e, como todos os movimentos de natureza essencialmente ideológica, onde se respeita tudo menos o puro interesse cognitivo nas coisas e a liberdade dos outros, desde partidos políticos até às seitas religiosas, é ao povão que todos os seus esforços procuram comover. É aí, no ruído, na feira, nos chiliques e nas convulsões, na conversa fiada, no palavrear barato, nos risos presunçosos, no escarnecer analfabeto e altivo, que está o meio natural desta malta.

    ResponderEliminar
  3. O animador (dos pobres de espírito, Mateus 5:3)

    http://www.dailymotion.com/video/x4pi5u_lanimateur-nick-hilligoss_shortfilms?from=rss

    ResponderEliminar
  4. Pois o homem tem razão, agora só falta a Palmira seguir-lhe os conselhos e deixar de dedicar milhares de posts ao tema.

    Cam

    ResponderEliminar
  5. Para mim não deve haver debate sobre disparates, criacionismo, elefantes cor de rosa, gnomos e toda essa tralhada deve ser remetida para os livros infantis ou em casos de persistência dos sintomas, se muito depois da puberdade se verificarem , para consultas de psiquiatria.
    Tolerar como cientifica crendices da mitologia Judaico Cristã é retroceder à idade média. Já agora poderíamos tb abrir o tema sobre Zeus, Pandora, o grande deus crocodilo, etc
    Francamente acho que existe mais que fazer...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.