quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

“Poesia temperada com música”



A palavra mágica

Certa palavra dorme na sombra
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.
(…)

Carlos Drummond de Andrade



Liguei a rádio ao início da tarde e penso ter ouvido bem: que a edição que estava no ar de Os Sons Férteis era a última. Não a última do ano, mas a definitiva.

Digo "penso ter ouvido bem", pois a notícia apanhou-me desprevenida e, nestes casos, duvida-se do que é certo. Na verdade, não contava que o autor de um dos melhores e mais antigos programas da Antena 2 o desse por encerrado.

Sentir-se-á falta da poesia que Paulo Rato temperava com música.

E sentir-se-á falta porque, como Drummond de Andrade escreveu, as palavras dormem nas sombras dos livros, precisam sempre que alguém as procure e as diga para que voltem à vida. Era o que Paulo Rato e os seus colaboradores faziam todos os dias úteis, de segunda a sexta-feira. Muito obrigada a todos.

Aqui transcrevo o texto que encerra Os Sons Férteis:

"Esta foi a última edição do programa Os Sons Férteis. Disposições legais, relacionadas com a aposentação, não permitem a continuidade da minha colaboração com a Antena 2. Para trás ficam quase catorze anos e meio, para mim extremamente gratificantes. Releve-se o lugar comum, que o não é aqui.
Foi-me naturalmente grato, ante de mais, o incentivo dos ouvintes, que são os destinatários do trabalho de cada profissional de rádio. Um apoio que, desde os primeiros tempos, muitos se deram ao incómodo de, pelos mais diversos meios, me fazerem chegar.
Inestimável retorno, com elevado juro, do que de mim investi neste projecto, é constituído pelos contactos que fui estabelecendo com muitos poetas, em não poucos casos conduzindo a laços de amizade, que representam o mais rico património que poderia acumular. Alguns desses autores integraram a programação de Dezembro, embora não todos os que desejaria, por razões de planeamento.
Simultaneamente, homenagem e celebração muito pessoais na única vez em que a selecção de textos para Os Sons Férteis partiu de uma raiz afectuosa.
Ficam os meus agradecimentos a todos os que colaboraram no programa desde o início. Recordo Edite Sobreireiro, António Cardoso Pinto, Maria Clara, António Jorge Marques. Também, técnicos e sonorizadores. E, naturalmente, a mais assídua colaboradora, a actriz Edite Sobreireiro.
Agradeço, ainda, o apoio incondicional de sucessivas direcções de programas.
Aqui termino este percurso. Outros afins se hão-de iniciar.

Como gosto de dizer: encontramo-nos por aí.
A poesia, essa, continua."
Paulo Rato

Imagem: El trovador (1954) de Juan Ismael
(Retirada de http://www.culturacanaria.com/arte/westerdahl/3.html)

1 comentário:

  1. A palavra mágica

    Certa palavra dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.

    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.

    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra.

    Carlos Drummond de Andrade

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.