quinta-feira, 22 de Maio de 2008

O PRÉMIO, A PIA DA PÓLVORA E AS INVASÕES FRANCESAS


Aqui está uma foto da distinção dada pelo European Museum Forum ao Museu da Ciência da Universidade de Coimbra em cima da "pia da pólvora", no Laboratório Chimico onde, faz agora 200 anos, o lente de Química Tomé Rodrigues Sobral fabricou pólvora para combater os invasores franceses.

Lembro que em Junho faz 200 anos que se formou o 1º Batalhão Académico, constituído por estudantes da Universidade de Coimbra, sob o comando do sargento de artilharia e também estudante Bernardo António Zagalo, que marchou de Coimbra à Figueira da Foz para tomar essa cidade aos franceses. Foi isso mesmo que conseguiram fazer a 27 de Junho de 1808, ao tomar o Forte de Santa Catarina, então ocupado pelas tropas de Junot (curiosamente o comandante era um tenente de engenharia português colaborador dos franceses). Em 1 de Agosto de 1808 o general inglês Arthur Wellesley, mais tarde Duque de Wellington, desembarcava com as suas tropas na Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz...

Aproveito para divulgar a citação do júri do Prémio Europeu do melhor museu do ano em ciência e e tecnologia, que tem o nome de um industrial italiano:

"The Micheletti Award for the most promising technical or industrial museum among the current year’s candidates goes, unusually, to a science museum this year. The Science Museum at the University of Coimbra in Portugal impressed the judges with its sensitively restored and designed neoclassical Laboratorio Chimico. With its theme of ‘secrets of life and matter’ the museum has crossed scientific discipline-lines and the integration of the historic building and objects with thoughtfully chosen computer interactives and experiments has proved very successful. Add to this a very varied programme of activities and a high standard of publications, and the resulting experience for visitors is excellent."

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.