quarta-feira, 20 de setembro de 2023

O PANTEÃO DE UM ESCRITOR SÃO OS SEUS LEITORES

Por Eugénio Lisboa

O Panteão de um escritor são os seus leitores. Se estes não continuarem a existir, não há Panteão que os salve. 

Eça está, há muito e para sempre, no seu feliz Panteão: os leitores que o admiram e, na sua afiada e inovadora língua, se banham. Uma das grandes forças da visão e da estilística de Eça foi sempre uma elegante e nobre distanciação da pompa, que considerava cómica e apenas bom material para uma desenfastiada chacota.

Quem leu as inesquecíveis e contundentes páginas de UMA CAMPANHA ALEGRE, se tiver alguma sensibilidade e algum pudor, ficará assustado ao antecipar o que vão ser as palavras eriçadas que as “entidades” de colarinho engomado lhe vão fazer chover em cima (caso isso aconteça…), no próximo dia 27. 

Eça vai ter de dar muitas voltas, no túmulo, a tentar destemidamente evitar que lhe remexam nos ossos. E não vale a pena invocar a autoridade de eminências académicas, para justificar o injustificável: os textos e a vida do escritor falam por si. 

Deixemo-nos de hesitações eruditas e de talvez mas contudo: Eça abominaria ir para o Panteão. 

Bolas, leiam-lhe a obra com olhos de ver e ler! E deixem-se de pedir a opinião de “autoridades” académicas: consultem os textos! Arre! 

P.S. – Entrou ontem em tribunal uma Providência Cautelar, num tribunal, para travar esta idiota trasladação. Vamos ver se a festa se azeda.

Eugénio Lisboa

1 comentário:

Humberto Baião disse...

O problema nem é a transladação nem o panteão, é o público, e com o que o público lê, ainda acabarão no panteão a Cristina Ferreira, a Rita Ferro, o Raúl, o Walter.... Quanto ao Eça, a verdade é que já não encanta as novas gerações, nada lhes diz, aliás a esta malta nada diz nada e, ao forçar a leitura de Eça a escola afasta os alunos dos livros, porque nem os professores sabem usar o Eça para os encantar nem sabem que outros livros e autores lhes "mostrar"... É que os professores na sua maioria também não lêem... Talvez leiam a Revista Cristina....

A ESTUPIDEZ REVISITADA

A estupidez é a mercadoria mais bem distribuída deste mundo: ela veste-se de demagogia ou do que quer que seja de imundo. A estupidez é...