domingo, 20 de janeiro de 2019

Eugénio Lisboa e o novo acordo ortográfico


Com dedicatória amiga, recebi, dias atrás, o último livro de Eugénio Lisboa, intitulado “APERTO LIBRO”, personalidade da vida literária portuguesa de um longo e prestigiante acervo biográfico e obra literária.

Neste seu livro, já em Outubro de 1986, tendo passado, entretanto, muita água debaixo das pontes (e quanta haverá de passar mais?), criticava Eugénio Lisboa o Novo Acordo Ortográfico com o texto extraído da supracitada obra (página 100) que se transcreve imediatamente abaixo numa altura em que a solução deste imbróglio corre o risco de se estender por mais anos pela prática bem portuguesa de deixar correr o marfim deixando para amanhã o que pode (e deve!) ser feito hoje:
"Novo acordo ortográfico – idiota e completamente fútil. Pretende-se uma ‘unificação’ à qual os factos vão, necessária e melancolicamente, dizer não. Esta ânsia de acordo a todo o custo, de mais um acordo, descontados os casos dos que se perduram nele ou para darem nas vistas ou para fazerem umas viagens à custa do contribuinte, pode também ter que ver – quem sabe?– com a angústia de se ter perdido um império e o acordo passar a ser uma espécie de compensação. Anda muita gente à procura de um ‘quinto império’ qualquer. De resto, como já tenho observado, alguma da nossa esquerda anda transcendental, ocultista, irracionalista e bandarrista. E fútil. De tanto querer ser ‘imparcial’, acaba por aceitar o inaceitável. Em Portugal, hoje em dia, quase ninguém faz aquele esforço continuado, concentrado e articulado, que antigamente dava pelo nome de pensar. Hoje, as pessoas preferem dizer coisas giras, coisas que dão nas vistas. Quanto mais surpreendem ou ultrajam a razão razoável, melhor. E há sempre dois ou três intelectuais, com alguma responsabilidade, para darem corda a este relógio”. 
Como diria Pessoa, deixemos no bengaleiro a inclinação de discutir os assuntos. O acordo ortográfico está mais do que discutido. Falta, apenas, dar-lhe um enterro condigno para não apodrecer em vala-comum, como mais uma ‘boutade’ nacional, em que o estudo da origem latina e grega do nosso léxico atapeta o chão das causas perdidas com folhas outonais que desbotaram o verde da esperança!

2 comentários:

  1. Esforços continuados21 de janeiro de 2019 às 18:56

    Sempre tive simpatia por pessoas que gostam de causas perdidas. E que aspiram as folhas do chão, mesmo quando não há chão.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo seu comentário escrito em resposta a quem, como eu, acredita na sabedoria popular: "Enquanto há vida há esperança!" Fica-me o consolo de ser merecedor da sua simpatia...e o desconsolo da utopia de aspirar as folhas de um chão inexistente em contradita com aqueles que varrem a porcaria para debaixo do tapete!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

Ainda sobre o moderno e o clássico

Na continuação do texto A constante luta entre clássico e moderno João Boavida É isso mesmo, volto ao tema, do moderno e do clássico.  Se um...