quinta-feira, 5 de outubro de 2017

PONTA DA PIEDADE (LAGOS) - PARECER



Em defesa do património geológico:

 Importante pólo de atracção turística, a Ponta da Piedade, cerca de 3 km a Sul de Lagos, no extremo ocidental da baía de Lagos, é um imponente exemplo de geomorfologia litoral, onde o mar esculpiu uma paisagem rochosa de grande fragilidade, não devendo sermos nós a destruir aquilo que a Natureza lentamente nos concedeu. Fruto da intensa carsificação do local, podemos observar, no pormenor, a interminável dialéctica, de há milhões de anos, entre a terra e o mar, bem expressa nas suas arribas escarpadas, pilares, pontas e arcos rochosos, túneis e grutas (visitáveis por barco), numa escultura rendilhada na rocha, em tons de amarelo acastanhado, por vezes, avermelhados, com pequenas praias em algumas das suas reentrâncias, num feliz contraste com o verde turquesa do mar.

 A par desta lição de geomorfologia litoral, podemos fruir uma outra, no âmbito da geologia, mais precisamente, a que nos conta parte significativa da história geológica mais recente do Algarve, cuja idade podemos situar entre 10 e 20 milhões de anos. Conservada nesta parte ocidental da província, sob a forma de camadas sub-horizontais, essa história pode ser lida nas respectivas rochas, essencialmente areníticas, algo argilosas, com abundantes bioclastos (fragmentos de conchas e carapaças de moluscos, equinodermes, entre outros) e escasso cimento de natureza calcária (carbonatado).

 Tendo em conta estas potencialidades, favoráveis ao turismo de Natureza, a Ponta da Piedade é uma pérola na paisagem natural algarvia, a preservar. A intervenção em curso, desencadeada pela Câmara Municipal de Lagos, descaracteriza o local e desrespeita a sua riqueza ambiental, gerando em cascata um conjunto de situações que, serão futuramente difíceis resolver. Ao interferir com a drenagem das águas pluviais na superfície horizontal da plataforma e na rede de diaclases, vai modificar, artificializando, as condições naturais que criaram esta paisagem, e artificializar, neste caso especial, significa destruir.

 Lisboa, 16 de setembro de 2017

 António Marcos Galopim de Carvalho (Professor Catedrático de Geologia jubilado, da Universidade de Lisboa)

 Nuno Lamas Pimentel (Professor Associado de Geologia, com Agregação, da Universidade de Lisboa)

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.