terça-feira, 10 de dezembro de 2013

A REVISTA "LER", OS BURACOS NEGROS E O UNIVERSO

A revista "Ler" publica no seu último número um artigo da jornalista e escritora Filipa Melo sobre  a literatura de divulgação científica, partindo de um artigo científico  recente que especula sobre o início do mundo a partir de uma estrela a quatro dimensões que colapsa para um Big Bang de dimensão inferior.

Declarações que lhe prestei sobre este assunto:

"O artigo recente de cosmologia que refere é, como a maior parte de outros de cosmologia, é especulativo. Um buraco negro a quatro dimensões a colapsar para o Big Bang  do nosso Universo? Se é verdade, provavelmente nunca saberemos. O Big Bang é o fim da nossa física, não sabemos e provavelmente nunca saberemos o que estava antes, por ser impossível ter informação. Mas é interessante e até divertido especular: o nosso Big Bang é um buraco branco (fonte de matéria e energia) que poderá ser o outro lado de um buraco negro, perdendo-se uma dimensão nesta passagem no túnel do tempo..."

Sobre a colecção Ciência Aberta da Gradiva, afirmei:

"Em 30 anos de edições, a ciência foi aberta 200 vezes entre nós em forma de livro. A Gradiva vai continuar a abri-la a todos, levando, entre outros assuntos fascinantes da ciência, o Big Bang e os buracos negros a todas as pessoas que tenham curiosidade pelo mundo. E quem não tem curiosidade pelo mundo? A cosmologia procura responder a questões que nos tocam a todos: De onde vem o mundo? Para onde vai o mundo?

Na continuação da colecção Ciência Aberta, cujo criador foi Guilherme Valente, procurarei  trazer as últimas notícias dos cosmos, contadas em primeira mão pelos melhores cientistas e escritores. E desejo que apareçam cientistas portugueses com talento para a escrita. A ciência neste 30 anos da colecção também teve uma espécie de Big Bang entre nós, havendo investigadores nacionais com muito mérito de quem aguardamos a escrita."

Nessa colecção encontram-se excelentes livros que abordam a origem do Universo:

n.º 1- "Um Pouco Mais de Azul", Hubert Reeves, que tem vários outros livros como "O primeiro segundo". Reeves é um poeta do espaço e "Um pouco mais de azul" é um verso de Mário de Sá Carneiro que traduz bem o original "Patiente dans l'Azur" de Paul Valéry.

n.º  5- "Cosmos", Carl Sagan, o "livro dos livros" de divulgação científica

n.º 20- "Os Três Primeiros Minutos", Steven Weinberg, Prémio Nobel da Física pela sua teoria da unificação das forças.

n.º 27- "Uma Breve História do Tempo", de Stephen Hawking, um best-seller de um físico com um cérebro dentro de um corpo deficiente.

n.º 101, "O Universo Elegante", Brian Greene, sobre as  teorias unificadoras das supercordas

n.º 117- "O Nosso Habitat Cósmico", Martin Rees, o astrónomo-real britânico

n.º 139- "O Cosmos de Einstein", de Michio Kaku, um físico de origem japonesa grande divulgador da física.

n.º 146- "O Livro das Escolhas Cósmicas", de Orfeu Bertolami, um cosmólogo brasileiro e também poeta, que é professor na Universidade do Porto

n.º 182- "Morte por Buraco Negro, de Neil de Grasse Tyson, o astrónomo norte-americano que em 2014 vai apresentar  o "Cosmos 2" nas televisões de todo o o mundo.

n.º 183- "Big Bang", Simon Singh, o livro de divulgação mais completo e actualizado sobre a origem do mundo. Tudo aquilo que sempre quis saber sobre o assunto sobre o Big Bang e nunca teve a coragem de perguntar.

n.º 198, "Ciclos do Tempo", Roger Penrose, um físico muito original, imagina o futuro do mundo a longo prazo, com Big Bangs sucessivos, num livro denso.
em que se percebe a música apesar de se poder não perceber a letra.

n.º 199, "O Romper das Cordas", Lee Smolin, uma crítica demolidora à teoria das supercordas, a teoria de unificação mais popular (essa teoria terá presidido ao início do mundo).

2 comentários:

  1. Tudo lixo. :)

    Professor, as dimensões não se perdem, dobram-se, criando uma ilusão de ausência. A dobra está para além da razão e da função porque não cumpre formas puras, não cumpre pontos, nem retas, nem planos. E o tempo não é nenhum túnel porque não há dentro, nem fora, nem princípio, nem fim. O tempo é o movimento do espaço a nascer e a morrer, numa perpetuação de si próprio, transfigurando-se no sentido apocalíptico e criador.

    O mundo não vai, nem vem, ele é, mas não da forma como o pensamos porque o pensamento não passa de uma precária relação entre sujeito e objeto.

    P.S. Dou explicações gratuitas.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.