segunda-feira, 15 de abril de 2024

OS HABITANTES DA ESCURIDÃO

Os canalhas não gostam do ar puro,
por isso gostam sempre de o sujar.
Buscam o escuso e o escuro.
para aí poderem chapinhar.

As suas mordidelas são medalhas,
ao peito dos a quem eles perseguem.
Não são vistos em esbeltas batalhas,
não havendo honra que não reneguem.

Quem vive no escuro, escuro fica
e toda a claridade lhe faz ferida!
E quem, da claridade, cedo abdica

verá que a sua vida é avenida
que o leva a seguro inferno,
onde nada mais há do que inverno.
                                                                    Eugénio Lisboa

1 comentário:

Anónimo disse...

Um poema que até parece digno de constar nos manuais escolares das crianças. Não chega já de bruteza no mundo, senhores!

Rushdie e a decência humana

Imagem recolhida no jornal El País : aqui Depois de Segunda Grande Guerra, o Ocidente declarou "nunca mais": nunca mais à destruiç...