sábado, 3 de março de 2018

António Estácio dos Reis (1923-2018)



In memoriam de um grande historiador deixo lista bibliográfica preparada pelo RÓMULO. Do Comandante fica a grata memória e ficam os livros:

António Estácio dos Reis 1923-2018
Comandante, Oficial da Marinha, historiador de ciência, história da náutica e dos descobrimentos portugueses.


Bibliografia disponível na Biblioteca do RÓMULO – Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra

O quadrante náutico. Coimbra : [s.n.], 1988. p. 243-273. [Separata de "Revista da Universidade de Coimbra", 34, 1988].


Os navios d'Occidente. 1ª ed. Lisboa : Comissão Cultural da Marinha : Gradiva, 2001. ISBN 9728004427.


Bibliografia disponível nas Bibliotecas da Universidade de Coimbra

Curriculum vitae [Texto dactilografado]. [S.l. : s.n., 19--?]

REIS, A. Estácio dos ; GIL, Fernando Bragança – Duas notas sobre astrolábios. Lisboa : [s.n.], 1985 (Coimbra : Imprensa de Coimbra).

Duas notas sobre astrolábios. Lisboa : Instituto de Investigação Científica Tropical, 1985. (Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga. Série Separatas ; 170).

O quadrante náutico. Coimbra : [s.n.], 1988. p. 243-273. [Separata de "Revista da Universidade de Coimbra", 34, 1988].

O dique da Ribeira das Naus. Lisboa : Academia de Marinha, 1988. [Texto desenvolvido da comunicação apresentada em sessão plenária da Academia de Marinha, em Outubro de 1986 ; Reprodução fac-simile de "Livro de registo de entradas e saídas de navios no Dique, desde 23 de Janeiro de 1879 a 22 de Junho de 1939 (p. 97-217)].

O quadrante náutico. Lisboa : Instituto de Investigação Científica Tropical, 1988. (Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga. Série separatas; 200). [Separata de: Revista da Universidade de Coimbra, vol. 34, 1988].

Concerto para dois globos. Lisboa : Academia de Marinha, 1989.



Old globes in Portugal. Coimbra : [s.n.], 1994. [Separata de "Boletim Bibliográfico Universidade de Coimbra", 42, 1994].

Medir estrelas. Tradução Peter Ingham. [Lisboa] : CTT Correios, 1997. (Descobrir ; 9). ISBN 9729127409.

O único exemplar vivo do nónio de Pedro Nunes?. Lisboa : Academia de Marinha, 1995 [D.L. 1997] ISBN 9728370644.

EXPO 98 ; REIS, A. Estácio – Pavilhão do Conhecimento dos Mares : Exposição Mundial de Lisboa de 1998 : catálogo oficial. Textos A. Estácio dos Reis... [et al.] ; tradução Margarida Amado, Maria do Carmo Figueira, Maria Luísa Baptista ; revisão Fernando Milheiro. Lisboa : Expo'98, 1998. ISBN 9728396678.

Métodos de navegação nos séculos XV-XVIII = Navigation methods during the fifteenth to eighteenth centuries. Lisboa : Parque Expo'98, imp. 1998. (Monografias = Monographs). ISBN 9728396767.

Os navios d'Occidente. 1ª ed. Lisboa : Comissão Cultural da Marinha : Gradiva, 2001. ISBN 9728004427.

Astrolábios naúticos em Portugal. Lisboa : Inapa, 2002. ISBN 9727970370.

A SAGA DOS ASTROLÁBIOS, Ílhavo [et al.] – A saga dos astrolábios = The saga of the Astrolabes. [S.l.] : Âncora Editora ; Ílhavo : Câmara Municipal de Ílhavo, Museu Marítimo de Ílhavo, 2006. (Novos Mares ; 1). ISBN 9727801765.

Gaspar José Marques e a máquina a vapor : sua introdução em Portugal e no Brasil. [Lisboa] : Comissão Cultural de Marinha, 2006. ISBN 9728004907.

CRUZ, Ireneu – O ano de 1492 : o da verdadeira primeira viagem. Prefácio António Estácio dos Reis. 1ª ed. [S.l.] : [Núcleo de Gastrenterologia dos Hospitais Centrais], 2007. ISBN 9789899557604.

À procura da arca perdida. [S.l.] : [s.n.], imp. 2013 ([Rio Tinto] : Clássica-Artes Gráficas). ISBN 9789892042800.


Bibliografia sobre António Estácio dos Reis

MATOS, Luís Jorge de, editor  António Estácio dos Reis : marinheiro por vocação e historiador com devoção : estudo de homenagem. Lisboa : Comissão Cultural de Marinha, 2012. ISBN 9789898159465.



1 comentário:

  1. Chão frio

    A porta envidraçada
    Fechada

    O corpo parado
    Preparado

    Um cheiro a incenso
    Intenso

    A sala cortada da matriz
    Suspensa sem raiz

    E o teu rosto ao fundo do meu
    Sem inferno nem céu

    A tua mão sob a pena
    Da minha tão pequena

    Cai a chuva lá fora
    Onde Deus já não mora

    O vazio do olhar
    Estão pessoas sem eu estar

    Porque sou só contigo
    Dentro das flores mortas
    Jardim de interior abrigo
    Sem janelas nem portas

    Chão frio

    O corpo envidraçado
    Levado

    A minha mão sem a tua
    Alma nua

    Já não cai lá fora
    A chuva que te chora...

    FC

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.