sábado, 24 de fevereiro de 2018

ZOMBIES E CÁLCULO


Acaba de sair o n.º 225 da colecção Ciência Aberta:

Resumo:

Como pode o cálculo ajudá-lo a sobreviver a um apocalipse de zombies? Colin Adams, um dos divulgadores de matemática mais criativos e divertidos, revela o segredo nesta fantástica aventura de zombies.

Zombies & Cálculo conta a história de um professor de Matemática numa pequena cidade americana, que, a meio de uma aula de Cálculo Infinitesimal, se vê confrontado com um aluno retardatário cuja fome não é de conhecimento... À medida que o vírus zombie se espalha e a civilização se desmorona, o professor usa o cálculo para ajudar o seu pequeno grupo de sobreviventes a derrotar as hordas dos mortos-vivos.

Com este livro, os leitores ficam a saber como evitar ser comidos aproveitando o facto de os zombies apontarem sempre o seu vector tangente ao alvo, e também como usar o crescimento exponencial para determinar uma taxa de propagação viral. Também são tratados tópicos como a aceleração da gravidade, modelos predadores-presas, problemas de perseguição, a física do combate e muito mais. Um livro bastante útil: graças a ele, o leitor poderá sobreviver a um ataque zombie. E enquanto ele não acontece, pode divertir-se com a leitura.

Contendo apêndices que explicam a matemática do livro em maior pormenor mas de um modo acessível, Zombies & Cálculo é recomendado tanto para aqueles que foram recentemente apanhados pelo vírus do cálculo, como para aqueles cuja «doença» já se encontra num estado mais avançado. E ainda para aqueles que ainda não sabem sequer o que é o cálculo.

Bio do autor:

Colin Adams é professor de Matemática no Williams College, Massachusetts, Estados Unidos. É o autor, entre outros livros pedagógicos e de divulgação, do The Knot Book e How to Ace Calculus e vencedor do Distinguished Teaching Award de 1998 da Sociedade Americana de Matemática. É colunista de humor da revista Mathematical Intelligencer.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.